Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

Homem que “ficou doidão”, usou droga e deu tiro em prostíbulo é da FAB

A confusão ocorreu na madrugada do último domingo (9/1), após discussão devido a uma conta de R$ 800

atualizado 11/01/2022 10:25

Comando da Aeronáutica celebra Dia do Aviador e Dia da Força Aérea Brasileira - Apresentação do novo caça F-39E GripenIgo Estrela/Metrópoles

O homem detido pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), após dar um tiro para o alto em uma casa de prostituição localizada em Taguatinga, é sargento da Força Aérea Brasileira (FAB). A coluna apurou que se trata de Hudson de Oliveira Neres. A confusão ocorreu na madrugada do último domingo (9/1) durante uma discussão que teria se iniciado devido a uma conta de R$ 800.

Homem é preso após “ficar doidão” e dar tiro em casa de prostituição

Policiais militares receberam a denúncia de uma briga entre vizinhos, na QSC 19, e se deslocaram até o local. Lá, um homem se identificou como Hudson e informou estar armado. Com ele, os policias encontraram uma pistola calibre 380, com 14 projéteis intactos, e uma porção de cocaína.

O sargento da Aeronáutica assumiu que estava em um prostíbulo consumindo bebidas alcoólicas e drogas. Ele acrescentou que houve uma discussão na hora de pagar a conta, no valor de R$ 800. Diante do desacordo comercial, sacou a pistola e deu um tiro para o alto.

A PM foi ao estabelecimento e encontrou quatro mulheres. A dona do local relatou que o suspeito havia passado o dia inteiro bebendo e usando drogas, e que teria ficado “doidão”.

Levado para uma delegacia, Hudson acabou autuado por “uso e porte de drogas e exercício arbitrário das próprias razões”, e, posteriormente, liberado. A arma ficou apreendida.

Agressão

A coluna apurou que o militar já tem passagem na polícia por agressão contra a esposa. O caso ocorreu em 2019 quando uma vizinha viu Hudson Neres agredindo a mulher com socos. Segundo a testemunha, eles estavam na varanda do apartamento funcional da FAB.

Ao ver as agressões, a testemunha mandou que ele parasse de agredir a vítima. O sargento parou, porém, começou a discutir com a moradora dizendo que não era para ela se meter. A Polícia Militar foi acionada e conduziu o casal até uma delegacia.

 

Mais lidas
Últimas notícias