Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

Afastado da PM por licença médica, sargento ostentação viajava o mundo

Ronie Peter Fernandes da Silva desembarcou nessa segunda-feira (15/11) em Brasília após viagem pelas Ilhas Maldivas

atualizado 16/11/2021 21:54

Homem de óculos escuros tira selfie em cima de barco no meio do oceanoReprodução/Instagram

O sargento da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Ronie Peter Fernandes da Silva, preso na manhã desta terça-feira (16/11) no âmbito da Operação S.O.S. Malibu, está de licença médica há mais de um ano. A informação foi confirmada ao Metrópoles pela corporação.

Mesmo afastado, ele recebe salário bruto de R$ 9.421,47. Com os descontos, a remuneração é de R$ 8.290,85.

Nas redes sociais, contudo, o sargento ostenta cliques pelas praias paradisíacas das Ilhas Maldivas em viagem recente. Ele desembarcou nessa segunda-feira (15/11) em Brasília, um dia antes de ser preso como um dos chefes da quadrilha de agiotas que movimentou mais R$ 8 milhões nos últimos dois anos.

Veja imagens da viagem do PM para as Ilhas Maldivas:

Publicidade do parceiro Metrópoles
0
Ostentação ao redor do mundo

Recentemente nas Ilhas Maldivas, o terceiro-sargento da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) vivia uma rotina regada a festas, carros importados e outras viagens pelo mundo.

Ativo nas redes sociais, o militar postava detalhes de viagens para Rússia, Espanha, Emirados Árabes, Portugal, Tailândia, Dubai, Estados Unidos e México. Os passeios tinham direito a voos de jatinho, hospedagem em hotéis 5 estrelas e muitas fotos.

Veja fotos das viagens do PM:

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Carros de Luxo

Donos de uma concessionária especializada em veículos de luxo, os irmãos Ronie da Silva e o empresário Thiago Fernandes da Silva, que também foi preso, mantinham uma coleção pessoal de automóveis importados.

Nos últimos dois anos, a organização criminosa comprou oito veículos da marca Porsche, de valor unitário próximo a R$ 1 milhão, e, nos últimos seis meses, movimentou mais de R$ 8 milhões, distribuídos em sete contas bancárias.

Três veículos da Porsche e um veículo BMW X4 foram apreendidos durante a ação. Os carros estão avaliados em R$ 3 milhões. Também foram bloqueadas as sete contas bancárias, de pessoas físicas e jurídicas, com sequestro dos R$ 8 milhões faturados com o esquema de extorsão.

Os irmãos costumavam fazer fotos e vídeos nos veículos de luxo. Em dezembro de 2020, Ronie Silva divulgou imagem de seu “presente de Natal”: um Porsche Carrera. O carro custa, em média, R$ 840 mil.

Em janeiro deste ano, o sargento divulgou a compra de uma BMW i8 avaliada em R$ 500 mil. No mesmo mês, o policial adquiriu outro Porsche Carrera zero Km. O PM chegou a postar que estava “chegando de Porsche para comprar outro Porsche”. Em abril, o militar adquiriu mais um carro de luxo. Na ocasião, ele explicou que o modelo era exclusivo e disse: “Há quase 1 ano esperando esse carro chegar no Brasil”.

Operação S.O.S. Malibu

O esquema milionário de agiotagem, extorsão e lavagem de dinheiro capitaneado pelo sargento da PMDF e seu irmão foi desmantelado em operação deflagrada nas primeiras horas desta terça-feira (16/11), pela Polícia Civil (PCDF). Equipes da DRF cumpriram 15 mandados de busca e 7 de prisão em Vicente Pires, Taguatinga e São Paulo. A operação foi batizada em menção ao nome da concessionária de veículos dos irmãos.

A Operação S.O.S. Malibu teve como principais alvos o sargento da PMDF Ronie Peter Fernandes da Silva e seu irmão, o empresário Thiago Fernandes da Silva. Ambos são apontados nas investigações da Coordenação de Repressão a Crimes Patrimoniais (Corpatri) como os líderes de uma organização criminosa especializada no empréstimo de dinheiro a juros exorbitantes, caracterizando a agiotagem ou usura.

Quem não pagava as prestações em dia se tornava alvo de violentas ameaças. Durante as cobranças, além de coagir as vítimas, o grupo tomava veículos e exigia a transferência de imóveis dos endividados. A apuração ainda demonstrou que os valores da agiotagem eram ocultados por meio da compra de veículos de luxo registrados em nome de terceiros, além da utilização de empresas de fachada.

Mais lidas
Últimas notícias