MPs defendem ampliação da quarentena no DF: “Por mais amargo que seja”

Em nota conjunta, MPF, MPT e MPDFT elogiam a Justiça e criticam GDF por ter permitido a reabertura de atividades durante pico da pandemia

atualizado 22/06/2020 14:17

reabertura de shoppings Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Trabalho (MPT) e Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) elogiaram, em nova conjunta editada nesta segunda-feira (22/06), a decisão da juíza federal Kátia Balbino ao acolher o pedido dos promotores e procuradores impedindo o Governo do Distrito Federal (GDF) de promover a reabertura parcial de novas atividades locais consideradas não essenciais. No texto, eles também questionam recentes decisões do Palácio do Buriti as quais resultaram em redução do isolamento social no DF.

No documento enviado à imprensa, os órgãos de controle reforçam que o momento é de emergência em saúde pública por causa do novo coronavírus.

“Quando medidas adotadas não se mostram aptas a conter o avanço da pandemia, é preciso que o Ministério Público atue como guardião da ordem jurídica e dos direitos constitucionais e, se necessário, demande ao Judiciário uma decisão tendo como premissa o princípio da precaução. Foi o que ocorreu no caso”, frisaram.

Veja o documento:

nota pública MPs (2) by Metropoles on Scribd

Segundo os MPs, após mais de três meses da primeira recomendação feita pelo Ministério Público, “o Governo do Distrito Federal ainda não demonstrou pautar as liberações em critérios técnico-científicos. Nas últimas semanas, ao contrário do recomendado pelo Ministério Público, OMS, Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde, Conselho de Saúde do DF e por instituições da sociedade civil, o GDF permitiu a redução brusca do índice de isolamento social e, com tal redução, houve aumento acentuado dos contágios e mortes por COVID-19”, justificaram no texto.

O texto ainda relata que, no Distrito Federal, o número de contaminados e de óbitos dobra cada vez mais rápido, e o sistema hospitalar está próximo do colapso.

“Assim, a manutenção de elevado índice de isolamento social ainda é o único método que se mostra eficiente, o que já foi comprovado em países que adotaram esse método com rigor e que agora estão conseguindo a diminuição no número de casos. Cidades que promoveram liberação de atividades antes do momento adequado, já tiveram que voltar atrás e assumir o equívoco da decisão”.

Isolamento social

Ainda sobre a nova decisão da Justiça, procuradores e promotores dos três órgãos de controle sustentam que a vida humana é o mais importante no momento.

“Quando todos os indícios e experiências mostram que a margem de erro é muito grande e que o preço a pagar é muito alto, significa que o caminho mais prudente é manter o isolamento social. Se há um patrimônio a ser defendido antes de tudo é a vida e se há um método mundialmente considerado o mais apropriado para sua proteção, devemos prestigiá-lo”, registraram.

Para o MP, antecipar medidas enquanto se anuncia que o pico da doença ocorrerá no mês de julho, como faz o GDF, “é colocar a perder todo o esforço e sacrifício feitos no início da pandemia, tornando ainda mais longa a espera pela normalidade e deixando pelo caminho mais angústia, mais dor e mais vidas. Isso não pode ser visto com
passividade pelo sistema de justiça, que deve se respaldar em fatos, estudos e documentos importantes trazidos ao processo”.

Por fim, o texto com o posicionamento público dos órgãos ressalta que a população precisa “manter o índice de isolamento social considerado eficiente pelos especialistas, o que também passa pela consciência e responsabilidade de cada cidadão neste momento”.

E fala em sacrifício: “Para que haja um verdadeiro e seguro recomeço é preciso mais um período de sacrifício para todos, sem o que muitas vidas serão perdidas, em especial dos mais vulneráveis. Por mais amargo que seja esse ‘remédio’, o isolamento social é o único disponível neste momento, razão pela qual o Ministério Público continuará atento às medidas que estão sendo adotadas no Distrito Federal”.

Últimas notícias