Morte de médico: militares serão interrogados novamente pela PCDF

Investigadores querem esclarecer divergências sobre operação da Polícia Militar que resultou na morte de endocrinologista na Asa Sul

ReproduçãoReprodução

atualizado 02/12/2019 20:53

Versões divergentes, peças que não se encaixam e perguntas ainda sem respostas desafiam os investigadores da Polícia Civil a determinar, de fato, o que ocorreu momentos antes de o médico endocrinologista Luiz Augusto Rodrigues (foto em destaque), 45 anos, levar um tiro na cabeça e morrer durante abordagem da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) na 315 Sul, na noite de quarta-feira (27/11/2019). Os militares do 1º Batalhão da PM (Asa Sul) que formavam a guarnição responsável pela abordagem ao médico serão reinquiridos nesta semana.

Algumas das informações prestadas pelos policiais não batem e investigadores da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) querem esclarecer as contradições. O policial reformado que estava na companhia da vítima também foi intimado a ser interrogado novamente.

De acordo com informações apuradas pelo Metrópoles, o militar que efetuou os disparou contou em seu termo de declaração que mantinha a carabina calibre 5.56 apontada para o assoalho da viatura durante o patrulhamento. Os PMs patrulhavam a região próximo ao Teatro dos Bancários quando teriam avistado dois homens em atitude suspeita perto de uma caminhonete branca. Após fazerem a abordagem, segundo os policiais, um dos homens teria sacado um revólver e apontado para os PMs. Em seguida, um dos militares abriu fogo e atingiu o médico na cabeça.

O homem que estava com o endocrinologista é o policial militar reformado Ringre Pires, que portava uma arma calibre .38. Ele se aposentou em 2017 e passou a maior parte do serviço lotado no Batalhão de Choque da PMDF. O advogado do militar da reserva, Pedro Júlio Melo Coelho, afirma que seu cliente sacou a arma, mas a manteve em posição de segurança.

“Existe uma grande diferença entre apontar a arma e mantê-la em posição de segurança. Ele não ameaçou os militares que estavam na viatura. De qualquer forma, meu cliente irá prestar um novo depoimento, mas a versão será mantida”, afirmou o defensor.

Afastamento

Após o fato, a corporação informou que o PM que atirou no médico foi afastado das ruas. A PMDF também instaurou um inquérito policial militar para apurar a conduta do soldado. Por meio de nota, a Polícia Militar afirmou que o tiro foi dado “diante do risco iminente”. “Os policiais não tiveram alternativa e efetuaram dois disparos, que atingiram um dos homens.”

Na tarde dessa segunda-feira (2/12/2019), os investigadores da PCDF que colheram as primeiras gravações registradas por câmeras de segurança próximo ao local dos disparos analisaram as imagens. O objetivo era tentar identificar a dinâmica de como ocorreu a abordagem dos PMs e os dois disparos efetuados por um dos militares. No entanto os vídeos não mostram com exatidão o momento em que o PM atira e o médico é atingido.

OS investigadores aguardam os laudos produzidos pelo Instituto de Criminalística (IC) tanto do local quanto no carro da vítima. O exame cadavérico feito no corpo do endocrinologista também poderá ajudar a determinar a distância do disparo e a trajetória do projétil.

 

Últimas notícias