TJDFT recebe denúncia contra Gim e Cristiano Araújo por improbidade

Ao todo, 33 reús estão envolvidos na investigação de improbidade no âmbito da Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP-DF)

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 31/08/2018 7:45

O juiz titular da 3ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, Jansen Fialho, recebeu a ação ajuizada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) contra o ex-senador Gim Argello (foto em destaque), o deputado distrital Cristiano Araújo (PSD) e mais 31 réus. Os investigados são servidores públicos distritais, da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF) e candidatos selecionados para bolsas de pesquisas junto à entidade.

A ação civil pede apuração de atos de improbidades que teriam sido praticados pelos réus e que teriam violado as regras definidas em lei para os concursos públicos na realização do processo seletivo para bolsistas, previsto no Edital nº 09/2012 da (FAP-DF).

Segundo o MPDFT, as investigações demonstraram a existência de um esquema fraudulento no processo seletivo do Edital nº 09/2012, que visava atender interesses particulares para contemplar os bolsistas que teriam indicação política.

No caso de Gim Argello, há provas, segundo o processo, de que ele teria orientado seu apadrinhado político Renato Caiado Rezende, então presidente da FAP-DF, a indicar pessoas que seriam selecionadas indevidamente no processo seletivo. “No curso das interceptações telefônicas realizadas com autorização judicial, apurou-se que Gim Argello mantinha, no tempo dos fatos, ligação com Renato Caiado”, expõe o documento do MPDFT.

Em uma das conversas telefônicas, um homem chamado de Marcelo Macedo revelou o desapontamento com seu “padrinho político” devido à inércia nos chamamentos. Além dele, a maioria dos réus foi notificada e apresentou manifestações negando a ocorrência de qualquer ato de improbidade. Dos 33 réus, apenas cinco tiveram que ser notificados por edital.

O juiz Jansen Fialho entendeu que há indícios suficientes para que os fatos sejam apurados. “Existem fortes evidências dos atos de improbidade perpetrados na Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal durante o Edital nº 9/2012, cujas condutas violaram os princípios administrativos”, disse. “Em suma, os fatos narrados merecem um exame mais aprofundado, tornando-se imprescindível a dilação probatória no presente caso concreto”, concluiu o magistrado.

Fialho abriu prazo de 15 dias para os réus se manifestarem e apresentarem contestações, a contar da data de intimação dos advogados. A reportagem foi publicada às 23h50 desta quinta-feira e não foi possível localizar os envolvidos. (Com informações do TJDFT)

Confira os nomes dos 33 citados: 
Cristiano Araújo
Jorge Afonso Argello (Gim Argello)
Maria Célia Franco de Sousa
Gustavo Deud Brum Alvim
Wagner de Souza Ferreira
Renato Caiado de Rezende
Luiz Fernando Braz Siqueira
Vera Lucia Moreira
Dilermando Melo Rodrigues
Marcelo Macedo de Souza
Lucilane Carneiro de França
Henrique Gustavo Tamm
Alexandre Faria de Oliveira
Ana Cristina Guimarães Daia
Ana Cristina Souza Silva
Ana Marcia Lima Weyrich
Bruno Vieira Zanani
Carlos Alberto de Castro Bina
Tatiely Valadares Santos
Ivan Fleury de Campos Curado
Jacqueline Nunes de Souza Fagundes Mendes
Kelli Cristina dos Santos Diniz
Larissa Lidia Silva
Luiz Fernando Raye Puppi e Lelles
Arthur Heleno Lima Rodrigues de Souza
Polianna Afonso Medeiros da Silva
Robson Loureiro dos Reis
Sandra de Souza Ferreira
Farid Fagundes Tavares
Thalita Assis Oliveira
Lorena Domingos Melo
Isabela Silva Borges
Vanessa Rodrigues do Nascimento

Últimas notícias