Justiça condena e manda prender ex-diplomata agressor de mulheres

Ele estava em prisão domiciliar desde março do ano passado. O magistrado ressaltou que o autor tem personalidade machista

atualizado 26/11/2020 20:54

Reprodução

Renato de Ávila Viana (foto principal), ex-diplomata acusado de agredir mulheres, foi condenado pela Justiça do Distrito Federal a 5 anos e 10 meses de prisão por agredir a ex-namorada. Ele chegou a arrancar o dente da vítima com uma cabeçada, em 2016. O caso foi revelado pelo Metrópoles.

Além da condenação, o ex-servidor do Ministério das Relações Exteriores (MRE) teve a prisão preventiva decretada pelo juiz substituto da Vara Criminal de Águas Claras Wellington da Silva Medeiros.

Viana estava em prisão domiciliar desde março do ano passado. O magistrado ressaltou que o autor é “um agressor inveterado das mulheres com quem se relaciona” e com “personalidade machista, que vê na mulher mero objeto de satisfação de suas vaidades.”

Ainda de acordo com a sentença, trata-se de uma pessoa com “padrão obsessivo de conduta” pela repetição de comportamentos violentos contra as mulheres. “Vale dizer que a vida adulta do réu foi uma mulher agredida a cada dois anos. Assim, nada me leva a crer que, no próximo namoro não exitoso, o réu admitira o termino da relação pacificamente”, declarou o juiz.

O magistrado ainda cita uma frase dita pela vítima e diz que ela parece ter razão: “Se Renato não for parado, ele vai matar alguém”.

Ao Metrópoles, a mulher disse que não tinha mais esperanças de que o agressor seria condenado. “Arrancou o meu implante dentário após já ter quebrado meu dente. Estou feliz, pois confesso que não tinha esperanças de uma condenação. A sentença foi bem fundamentada, o processo estava robusto em provas. Mesmo sem nenhuma assistência jurídica, a verdade prevaleceu”, disse.

“Ele tem uma vida de agressões contra mulheres, nada mais justo que ele pague por seus crimes. Nada tratará meu dente natural de volta. Afinal, nenhuma cirurgia pode refazer o que a natureza criou. Nada devolverá as noites de insônia e muitas lágrimas. Nada devolverá a bolsa de estudos que perdi, o concurso que abandonei pra fugir de Brasília. Então, o mínimo é que ele fique preso um tempo para aprender que mulher não é saco de pancadas”, completou.

A vítima chegou a gravar um vídeo falando sobre as agressões que sofreu. “Estou quebrada, estou a ponto de cair o tempo todo. Isso tudo não adoeceu só a minha mente, mas o meu corpo todo”, desabafou. Confira:

Histórico de violência

Antes de receber outra condenação por lesão corporal, Renato Viana foi detido em 19 de setembro de 2018, após ser acusado de agredir outra mulher, que não é a vítima neste processo. A polícia chegou a arrombar a porta do apartamento funcional onde Viana morava, na Asa Norte, para intervir em briga após denúncias de vizinhos.

Autuado por dano ao patrimônio, desacato, lesão corporal e violência doméstica, Viana foi liberado horas depois de ser levado para a 5ª Delegacia de Polícia (Área Central). Ele pagou cerca de R$ 1 mil de fiança.

Em outubro de 2018, ele acabou preso preventivamente pela Polícia Civil do Distrito Federal. O mandado, referente ao caso da ex-namorada que teve o dente quebrado, foi expedido pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e assinado pelo Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do Núcleo Bandeirante.

O ex-diplomata também foi demitido do Ministério das Relações Exteriores, onde ocupava cargo de primeiro-secretário. O desligamento é resultado de processo administrativo disciplinar (PAD) aberto após faltas, improbidade administrativa e denúncias da ex-companheira.

Últimas notícias