Inspirado no “Mercadão” de São Paulo, Brasília ganhará Mercado Central

Com investimentos de R$ 150 milhões e geração de dezenas de empregos, unidade será construída em área de 15 mil m², dentro da Ceasa

atualizado 18/01/2021 12:44

Vinicius de Melo/Agência Brasília

A Ceasa-DF divulgou o projeto vencedor que traz estudos técnicos, econômicos e jurídicos para a construção do Mercado Central de Brasília. Estimado em R$ 150 milhões, o investimento vai gerar dezenas de empregos.

A escolha da empresa campeã da concorrência, a Architech Consultoria e Planejamento, se deu por análise de documentos de habilitação, plano de trabalho, planilha de custos financeiros, demonstração de experiência, cadastro técnico, termo de cessão de propriedade e direitos autorais.

A avaliação foi feita pela Comissão para Elaboração e Avaliação de Parcerias Público-Privadas da Ceasa-DF (Ceappp).

0

O diretor presidente da Ceasa-DF, Sebastião Márcio de Andrade, adianta que a próxima etapa inclui a consulta pública e, posteriormente, a audiência – presencial, virtual ou mista. “É muito importante para informar, discutir, dirimir dúvidas e ouvir opiniões da sociedade em relação ao Mercado Central”, explica.

“Os apontamentos feitos pela sociedade serão analisados pela comissão, que decidirá se serão acatados ou não”, explica o diretor técnico-operacional da central de abastecimento, Fernando Cabral. “O estudo é passível de revisões a pedido da Ceasa, que pode ser motivado por alguma sugestão ou questões internas”, complementa.

As datas, assim como o projeto vencedor, serão divulgadas no site da Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri) e da Ceasa-DF. A última fase é a licitação para a obra, que será feita por meio de PPP.

Empreendimento

Um terreno de 15 mil metros quadrados dentro da Ceasa abrigará o Mercado Central de Brasília. De acordo com Fernando Cabral, o empreendimento será semelhante ao Mercado Municipal de São Paulo, mais conhecido como Mercadão.

“Terá uma área de alimentação para aquisição de produtos in natura, como frutas, verduras e legumes, restaurantes, bares, entre outros serviços para a população”, destaca.

O objetivo é que o local também seja um polo turístico e de lazer de Brasília. Cabral lembra que o mercado vai contribuir para geração de emprego e renda da cidade.

“Brasília não tem um espaço semelhante a esse”, pontua. “Temos estruturas menores. Inclusive, será um prédio em harmonia com a arquitetura modernista da capital, com concreto e aço”, revela.

Últimas notícias