Ibaneis assina ordem de serviço para o Hospital Oncológico de Brasília

Serão investidos mais de R$ 99 milhões para erguer a unidade de saúde, e o prazo para conclusão das obras é de até três anos

atualizado 09/06/2021 11:27

Ibaneis Rocha na assinatura da ordem de serviço para construção do Hospital Oncológico de BrasíliaHugo Barreto/Metropoles

O governador Ibaneis Rocha (MDB) assinou, na manhã desta quarta-feira (9/6), a ordem de serviço para a construção do Hospital Oncológico de Brasília doutor Jofran Frejat.

A cerimônia contou com a participação da viúva do médico, Denise Frejat, da filha dele, Graziela Frejat, e de outros familiares.

O solenidade autoriza a empresa vencedora da licitação a começar as obras. Pela projeção da Secretaria de Saúde, o centro médico terá capacidade de realizar até 9 mil atendimentos por ano.

Este será o primeiro centro especializado no tratamento de pacientes com câncer do Distrito Federal. O hospital será erguido em um terreno de 40 mil metros quadrados no Setor de Áreas Isoladas Norte (Sain), próximo ao Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB).

A unidade contará com consultórios multidisciplinares, alas para tratamento de quimioterapia, radioterapia, medicina nuclear, endoscopia e salas de cirurgia conjugadas, além de espaço para realização de exames de imagem como mamografia, ultrassom e raio-X.

Terá ainda 172 leitos disponíveis, sendo 20 de unidades de terapia intensiva (UTI) e 152 de internação. Serão investidos mais de R$ 99 milhões, recursos liberados pelo Ministério da Saúde, por meio da Caixa Econômica Federal.

0

O prazo para conclusão das obras é de até três anos. A Endeal Engenharia e Construções Ltda. será a executora da obra. O projeto arquitetônico foi elaborado por uma empresa contratada pela Diretoria de Edificações da Companhia da Nova Capital (Novacap).

Na oportunidade, o governador Ibaneis entregou flores para a viúva Denise Frejat.

“Essa homenagem feita à Jofran Frejat é uma homenagem feita para Brasília. Político experimentado. Um homem que participou de tudo que tem de bom na saúde do DF. A memória dele vai ficar eternizada nessa obra”, afirmou.

Ibaneis comentou a nomeação de sete mil servidores na Saúde, desde o início do seu governo e os avanços na Saúde do DF.

“Esse hospital nasce com uma história que vem lá de trás. Quando assumimos o governo, esse convênio estava perdido. Fomos à Justiça, ganhamos o processo e depois de dois anos e meio de briga, chegamos ao ponto de colocar o hospital de pé. Talvez eu não entregue essa obra, mas com certeza, será marcado o início de quem a possibilitou.”

“Brasília vai se tornar o maior centro de referência oncológico da região Centro-Oeste, expandindo para o Norte e Nordeste. Não vai faltar recursos. Serão R$ 44 milhões de contrapartida do GDF. Eu estou devolvendo para essa cidade um pouco do que ela me deu. Brasília me deu tudo. Tudo o que eu fizer para a minha cidade e meu povo, é pouco para agradecer o que ela me deu”, acrescentou.

O presidente da Novacap, Fernando Leite, disse que o hospital é o sonho de referência de diversos médicos. “Não é um hospital qualquer. Serão três pavimentos, cinco blocos e alta tecnologia de tratamento. Uma obra social. Com homenagem à Jofran Frejat que tinha como sonho essa unidade.”

O secretário de Saúde do Distrito Federal, Osnei Okumoto, comemorou a assinatura para o início das obras. “Com grande satisfação vamos atender a população do DF e tornar a capital um centro de referência no tratamento em todo o país. Fica aqui a nossa esperança de resolutividade na ontologia”, pontuou Osnei.

Ao final do evento, Ibaneis comentou sobre a possibilidade de estar entre os governadores que podem ser convocados a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, no Senado Federal. O governador diz que a convocação confronta com a Constituição Federal. “Inclusive eu que não sou citado em nenhum tipo de inquérito, nem ação judicial. Não teria motivo nenhum para estar nessa CPI. Até porque vou poder contribuir muito pouco com eles”, disse.

Últimas notícias