GDF troca comandos de administrações regionais e do SLU

Houve mudança de sete administradores. Indicados de parlamentares que votaram contra Refis e Reforma da Previdência perderam espaço

atualizado 07/07/2020 15:46

Palácio do BuritiDaniel Ferreira/Metrópoles

Após sofrer derrota na votação do Refis e passar dificuldade para aprovar a reforma da Previdência, o Governo do Distrito Federal reagiu e trocou administradores regionais indicados por deputados distritais da base.

Mesmo em campo governista, parlamentares não votaram junto com o Palácio do Buriti. Perderam espaço. Por outro lado, distritais sintonizados com o Palácio do Buriti ampliaram a influência no Executivo. A movimentação consta em edição extra, desta segunda (6/7), do Diário Oficial do DF (DODF). A publicação trouxe, ainda, o desligamento do agora ex-secretário do DF Legal Gutemberg Tosatte Gomes. 

O deputado distrital Reginaldo Sardinha (Avante) perdeu as administrações regionais do Cruzeiro e do Sudoeste. Elas estavam nas mãos de Cláudio Simões e de Luiz Eduardo Gomes.

O Palácio do Buriti retirou Gustavo Aires da administração de Samambaia. Ele ocupava o posto por indicações do MDB, partido do governador Ibaneis Rocha. Segundo fontes do Metrópoles, ele também teria sido nomeado por influência do deputado Jorge Vianna (Podemos). No entanto, a assessoria do parlamentar nega a indicação.

O deputado João Cardoso (Avante) perdeu a administração de Sobradinho. Até então gerida por Eufrásio Pereira.

Aliados

O governo ampliou o espaço de deputados aliados durante as votações. Jaqueline Silva (PTB) havia perdido a Administração Regional de Santa Maria. Mas votou com o GDF na Previdência. A parlamentar recuperou o espaço. Marileide Alves foi então nomeada.

O líder do governo na Câmara, deputado Claudio Abrantes (PDT), indicou o novo administrador regional de Sobradinho: João Luiz Vieira. A administração estava nas mãos de João Cardoso.

O deputado Martins Machado (Republicanos) indicou os novos administradores regionais do Sudoeste e do Varjão. Nesse caso, as respectivas administrações serão gerenciadas por Daniel Damasceno e Lúcio Rogério Gomes.

A antiga administradora do Varjão Nair Queiroz era indicação do MDB e do próprio governador Ibaneis Rocha.

MDB

Na dança das administrações, o MDB ganhou mais espaço. Gustavo Aires foi nomeado para o Cruzeiro, mas desta vez é cota exclusiva do partido. Enquanto Renato Couto Mendonça assume Samambaia com as bençãos da legenda.

SLU

Conforme a coluna Grande Angular antecipou em primeira mão, Edson Duarte deixou o comando do Serviço de Limpeza Urbano (SLU), mas nesse caso a saída foi a pedido.

A movimentação foi registrada no Sistema Eletrônico de Informações (SEI). Existe a expectativa, no entanto, de uma conversa entre o governador Ibaneis Rocha (MDB) e Edson Duarte, o que poderia alterar os planos de saída. Até agora, a orientação é no sentido de deixar o cargo.

Duarte foi nomeado para a chefia do SLU em 24 de março de 2020. Antes, ele foi presidente do Brasília Ambiental e ministro do Meio Ambiente durante a gestão de Michel Temer (MDB).

Félix Ângelo Palazzo ocupava o cargo de diretor-presidente do SLU antes de Duarte. Durante sua gestão, Palazzo enfrentou uma crise relacionada ao transbordamento de chorume no Aterro Sanitário de Brasília (ASB), localizado em Samambaia.

0

Últimas notícias