Rollemberg e mais 25 têm saldo negativo na prestação de contas

A dívida total dos ex-candidatos, até a noite de segunda-feira (29/10), somava R$ 873.617, conforme aponta o site DivulgaCandContas, do TSE

atualizado 30/10/2018 12:06

Kacio Pacheco/Metrópoles

As eleições acabaram, mas quem concorreu a cargos eletivos precisa prestar contas da campanha. De acordo com informações do DivulgaCandContas, site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 26 dos 1.203 candidatos do Distrito Federal declararam ter contratado mais despesas do que a receita é capaz de cobrir. O saldo negativo total, até a noite dessa segunda-feira (29/10), estava em R$ 873.617.

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) ocupa o primeiro lugar da lista dos devedores até o momento. As despesas contratadas somam R$ 4.499.519, enquanto as receitas estão em R$ 3.960.906, resultando em dívida de R$ 538.613. O chefe do Executivo local conquistou 451.329 votos, que representam 30,21% dos sufrágios válidos, mas não conseguiu se reeleger.

O médico Dr. Charles (PHS) está logo atrás, com saldo negativo de R$ 189.310. O concorrente a deputado federal disse ter contratado R$ 309.310 em produtos e serviços, mas prestou contas de arrecadação de R$ 120 mil. Ele obteve 11.372 votos e não conseguiu uma cadeira na Câmara dos Deputados.

O débito do senador Cristovam Buarque (PPS) é de R$ 39.518,12, conforme o site do TSE. Candidato à reeleição à Câmara Alta, ele teve 317.778 votos, mas foi derrotado nas urnas. Cristovam contratou R$ 1.915.281, porém recebeu R$ 1.875.762.

Há, ainda, quem disse à Justiça Eleitoral ter contratado sem receber nem um centavo. É o caso de Índio Soberana (PTB), candidato a deputado distrital. Ele comprou R$ 10 mil em materiais de campanha, de acordo com o portal DivulgaCandContas.

Confira os candidatos com saldo negativo:
Reprodução/TSE

Regras
O prazo para a prestação de contas está chegando ao fim. Quem concorreu no primeiro turno tem até terça-feira da próxima semana (6/11) para declarar todas as movimentações financeiras da campanha. A data-limite para os candidatos que foram ao segundo turno é 17 de novembro.

O TSE explicou ao Metrópoles que, caso os prazos não sejam respeitados e o saldo continuar negativo, caberá ao partido ou ao candidato assumir a dívida existente.

O outro lado
Em nota, a assessoria de Cristovam Buarque informou que os registros de despesas e receitas ainda não estão atualizados no portal do TSE. Índio Soberana reforçou ter até dia 6 para fazer a prestação de contas.

Não retornaram o contato da reportagem, até a última atualização deste texto, Dr. Charles e a equipe de Rodrigo Rollemberg.

Mais lidas
Últimas notícias