*
 

O eleitor do Distrito Federal terá de escolher, no segundo turno, entre Ibaneis Rocha (MDB) e Rodrigo Rollemberg (PSB). Pouco antes de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluir a apuração de todas as urnas eletrônicas, já era possível afirmar que nenhum outro candidato conseguiria alcançar o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB-DF) e o atual governador do DF.

O resultado final, divulgado na noite deste domingo (7/10), mostrou que Ibaneis conquistou 41,97% da preferência dos eleitores, somando 634.008 votos. Rollemberg, com 13,94%, obteve 210.510.

A campanha dos dois postulantes ao GDF ganhou corpo na reta final da disputa, sobretudo a do emedebista, que, em pouco mais de um mês, saltou dos 2% para a liderança nas pesquisas de intenções de votos.

Apesar de ter figurado distante dos primeiros lugares na maioria dos levantamentos, o candidato à reeleição conseguiu arrancada para garantir vaga no segundo turno.

O resultado teve surpresas, como Eliana Pedrosa (Pros), que, embora fosse uma das favoritas a chegar à segunda etapa, despencou nos últimos dias de campanha. A ex-distrital terminou em quinto lugar, atrás de Rogério Rosso (PSD), em terceiro; e General Paulo Chagas (PRP), em quarto.

Veja como ficou o resultado final:

Festa durante a apuração
Ao lado de apoiadores, amigos e familiares, Ibaneis acompanhou a apuração das urnas na sede do Clube dos Advogados de Brasília. Um telão mostrava ao vivo a contagem dos votos. Todos estavam em clima de festa, comemorando o bom desempenho do candidato emedebista.

Em discurso, Ibaneis Rocha agradeceu o apoio de todos. Aproveitou, também, para alfinetar os adversários. “Essa história de os candidatos saírem às ruas e achar que são donos dos votos das pessoas acabou. Isso ficou no passado. Aqui não tem mais voto do [ex-governador do DF] Arruda, de A, B ou C”, declarou.

No calor do momento, o ex-presidente da OAB-DF afirmou dispensar aliança com os concorrentes derrotados e ressaltou que adotará a mesma estratégia das últimas semanas: muita bateção de perna pelas ruas do Distrito Federal. “Meu povo está sofrido. Quero recuperar a saúde, a educação e a segurança. Hoje, tenho de comemorar mais um pouco, porque preciso pensar no segundo turno”, comentou.

Rollemberg acompanhou a apuração na casa da mãe, Dona Teresa, na 206 Sul. O governador também celebrou com apoiadores a chegada à etapa final da disputa. Após ser confirmado no segundo turno, o socialista destacou que o grande desafio do momento “é unir as mulheres, os homens e as pessoas de bem para fazer de Brasília uma referência nacional em políticas públicas”.

Questionado acerca de eventuais alianças, Rollemberg enfatizou que quer se aliar a “pessoas de bem”. “Nesses quatro anos, aprendi que é impossível fazer sozinho. É preciso deixar as diferenças e divergências ideológicas de lado para colocar em primeiro plano o interesse da população de Brasília.” Como estratégia, prometeu “falar a verdade e servir o DF”.

O segundo turno do pleito de 2018 ocorre no próximo dia 28. As sessões eleitorais ficarão abertas das 8h às 17h.

Perfil dos candidatos
Nascido em Brasília, Ibaneis Rocha Barros Junior é de família piauiense e o primogênito de três irmãos. Casado pela segunda vez, tem dois filhos do primeiro matrimônio e está esperando o terceiro da atual mulher.

Aos 47 anos, é a primeira vez que o advogado concorre a um cargo público. Filiado ao MDB desde 2017, Ibaneis encabeça a coligação Pra Fazer a Diferença e tem como vice o presidente do Avante-DF, Paco Britto. A coalizão conta também com PP, PSL e PPL. O emedebista é o candidato com o maior patrimônio registrado entre os 11 postulantes ao GDF: R$ 93.720.602,57.

O advogado fez carreira na capital. De 2013 a 2015, presidiu a seccional OAB-DF. Hoje, é diretor do conselho federal e corregedor-geral da entidade.

Ibaneis é formado em direito pelo Centro Universitário de Brasília (UniCeub), fez pós-graduação em processo do trabalho e processo civil e é mestrando em gestão e políticas públicas pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Em 1990, o buritizável abriu o próprio escritório e se destacou como advogado de várias categorias do serviço público.

Com 59 anos, Rollemberg termina seu mandato no Palácio do Buriti e se coloca na disputa para reeleição com apoio de Rede, PDT, PV e PCdoB. O candidato a vice da chapa Brasília de Mãos Limpas é o presidente do PV-DF, Eduardo Brandão.

Formado em história pela Universidade de Brasília (UnB), chegou a trabalhar como colaborador em Textos Políticos da História do Brasil de Roberto Amaral e Paulo Bonavides, um dos livros de referência histórica do país.

É filiado ao PSB desde 1985. Foi duas vezes deputado distrital (de 1995 a 1996 e de 1999 a 2002), secretário de Turismo (de janeiro de 1996 a abril de 1998), secretário de Inclusão Social do Ministério de Ciência e Tecnologia (de 2004 a 2006), deputado federal (de 2007 a 2010) e senador (de 2011 a 2014).