Divulgado calendário de votação sobre militarização em escolas do DF

Em julho, GDF manifestou o interesse de expandir o projeto da gestão compartilhada a outras seis unidades de ensino da capital

SSP-DF/Divulgação

atualizado 08/08/2019 21:06

A Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEE-DF) anunciou, nesta quinta-feira (08/08/2019), o calendário das assembleias entre pais e professores nas seis escolas que estão na iminência de ter gestão compartilhada com a Polícia Militar (PMDF), o Corpo de Bombeiros Militar (CBMDF) e a Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF).

A lista contempla o Centro de Ensino Fundamental 19 (Taguatinga), o CEF 407 (Samambaia), o Centro Educacional Gisno (Asa Norte), o CED Condomínio Estância III (Planaltina), o CEF 01 (Núcleo Bandeirante) e o CEF 05 (Paranoá). Hoje, o modelo já é implantado em outras quatro unidades.

O primeiro a votar se aprova ou não o modelo de gestão será o CED Condomínio Estância III, já neste sábado (10/08/2019). As outras cinco unidades educacionais votarão o modelo apenas no dia 17 de agosto. Segundo a pasta, o voto é secreto e será apurado por uma comissão formada por representantes da comunidade escolar.

Em junho deste ano, a Secretaria de Segurança Pública divulgou pesquisa realizada com 1,2 mil pessoas, sendo 962 estudantes. O balanço aponta que 75% dos professores entrevistados querem que os militares permaneçam nas escolas onde o modelo funciona. Do total, metade dos alunos e 86,9% dos servidores se mostraram a favor dele.

Quanto à sensação de segurança, quase 90% dos estudantes avaliaram o ambiente escolar como seguro (53,3%) ou muito seguro (36,5%). Nesse mesmo quesito, 88,8% dos professores e 98,8% dos servidores têm a mesma impressão.

De acordo com balanço da Secretaria de Educação, 55,21% dos professores entrevistados acreditam que o novo modelo “tornou as escolas um lugar melhor para se trabalhar”, e 75,6% dos educadores querem que os militares permaneçam.

PM na escola

Desde 11 de fevereiro, quando começou o ano letivo, a PM atua diariamente no Centro Educacional (CED) 1 da Estrutural, no CED 308 do Recanto das Emas, no CED 7 de Ceilândia e no CED 3 de Sobradinho. Conforme noticiado pelo Metrópoles, pouco menos de um mês após a implementação da novidade, a comunidade escolar já sentia os efeitos e elogiava as mudanças.

Com 693 instituições no DF, a rede de ensino tem sinalizado positivamente em relação ao projeto de gestão compartilhada com a Polícia Militar, por ele ajudar na melhora de questões como segurança, disciplina e desempenho na aprendizagem. A esperança das unidades de ensino, em especial as de áreas mais carentes, é conseguir reverter uma realidade de violência e precariedade nas imediações das escolas e investir na educação como instrumento de mudança social.

Segundo o Governo do Distrito Federal (GDF), o projeto visa, por meio de ações conjuntas, proporcionar uma educação de qualidade, com a construção de estratégias voltadas ao policiamento comunitário, como forma de enfrentar a violência, incluindo o ambiente escolar. Em fevereiro, a Promotoria de Educação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) se manifestou pela legalidade do projeto-piloto de gestão compartilhada entre a Polícia Militar e a Secretaria de Educação nas quatro escolas públicas do DF citadas.

Últimas notícias