DF terá primeira união homoafetiva em casamento comunitário

Celebração reunirá 64 casais no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, neste domingo (24), para a troca de alianças

IstockIstock

atualizado 22/06/2018 21:24

Um casamento comunitário celebrará, pela primeira vez, uma união homoafetiva no Distrito Federal. A cerimônia terá troca de alianças de 64 casais, e está marcada para este domingo (24/6), a partir das 17h, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Desde 2012, quando o programa de casamento comunitário do governo local foi criado, mais de 1,5 mil casais oficializaram a união.

A subsecretária de Proteção às Vítimas de Violência da Secretaria de Justiça, Andressa Queiroz, esclarece que os requisitos para participar são os mesmos para todos os interessados e não há distinção. Segundo ela,o objetivo é permitir que casais com baixo poder aquisitivo regularizem o estado civil. Entre os participantes da celebração, há pessoas com 50 anos de relacionamento.

Juntos há quatro anos e meio, José Moura Junior e Wanderson Santana vão dar o próximo passo no relacionamento no domingo. No caso dos dois, embora Wanderson tivesse a intenção de “casar no papel”, foi Junior quem descobriu a oportunidade e sugeriu a inscrição no programa de casamento comunitário.

“Eu nunca quis oficializar, mas ele [Wanderson] sempre falava nisso. Tínhamos dificuldade financeira, então para mim era uma situação praticamente impossível. Para chegar a esse finalmente, tivemos de lidar com problemas de homofobia”, conta o rodoviário José, de 45 anos.

Uma dessas situações de discriminação aconteceu durante o processo seletivo do projeto. Um servidor da secretaria agiu de forma homofóbica e acabou sendo exonerado.

Como participar
Para serem contemplados, os casais precisam se submeter a um processo seletivo. O edital com as regras é publicado no Diário Oficial do DF.

É preciso comprovar a baixa renda, ter idade mínima de 18 anos e residência no DF. Além disso, a participação em um minicurso sobre orçamento familiar é obrigatória.

O projeto é feito em parceria com empresas privadas, que oferecem gratuitamente serviços como vestuário, fotografia e maquiagem. Também não há cobranças das taxas matrimoniais. (Com informações da Agência Brasília)

Últimas notícias