DF: sem proposta de reajuste, PMs e bombeiros se dizem “decepcionados”

As categorias não entendem por que a Polícia Civil tem um projeto pronto e encaminhado ao Governo Federal e elas não

Daniel Ferreira/MetrópolesDaniel Ferreira/Metrópoles

atualizado 14/05/2019 9:20

Policiais militares e bombeiros do Distrito Federal pressionam o governo para saber o que houve com a proposta de reajuste da categoria. Sem qualquer resposta do Executivo desde abril, o Fórum das Associações de Policiais Militares e Bombeiros Militares do Distrito Federal se reuniu na última sexta-feira (10/05/2019) para saber qual atitude tomaria diante da falta de sinalização.

“A categoria está decepcionada com o governo. Se o governador tem condições de dar o aumento nos valores de 37% para uma categoria, que dê para PMs e bombeiros também. O que não dá é para a Polícia Civil ter um projeto de lei e nós não”, afirmou o presidente da Associação dos Militares Estaduais do Brasil (Amebrasil), o coronel da reserva Wellington Corsino.

Para Corsino, se o montante pedido não é possível, que seja reduzido e dado de maneira igualitária para as categorias. “Queremos entender esse silêncio do governo. Ele está tratando três categorias de maneira diferente. Era uma proposta de campanha não fazer isso”, disse.

Interlocutores
Por meio de nota, assinada por todos os integrantes do fórum, foi anunciado que os deputados distritais Hermeto (MDB) e Roosevelt Vilela (PSB) serão interlocutores do grupo no Buriti.

“Já estamos tentando uma agenda com o governador para esta semana. Ele sinalizou nessa segunda-feira (13/05/2019), em evento da PM, que não deixará ninguém de fora. O governo aguarda a reforma da Previdência. Antes disso, nada será votado no Congresso Nacional”, afirmou Hermeto, que é líder do MDB na Câmara Legislativa.

 

Veja a nota publicada pelo Fórum das Associações de Policiais Militares e Bombeiros Militares do Distrito Federal:

Reunião PM e Bombeiros by on Scribd

 

Durante a comemoração do aniversário de 210 anos da PM, realizada nessa segunda-feira (13/05/2019), no Palácio do Buriti, o governador Ibaneis Rocha (MDB) ressaltou que vai cumprir todos os compromissos com as forças de segurança.

“A questão da Polícia Civil já foi encaminhada. Nós temos um parecer favorável do Ministério do Planejamento. Agora, vamos trabalhando pouco a pouco para conseguirmos cumprir tudo aquilo que foi nosso compromisso”, comentou o emedebista.

Sem precisar datas ou valores, o governador disse que ele e sua equipe trabalham no projeto de recomposição salarial da PMDF.

Reestruturação
Em meio às discussões de reajuste, a coronel Sheyla Sampaio, comandante da PMDF, apresentou, nessa segunda-feira (13/05/2019), proposta de reestruturação administrativa da Força. Na avaliação da corporação, a reforma dará mais autonomia aos batalhões, que serão comandados por tenentes-coronéis. Atualmente, as unidades são geridas, em sua maioria, por oficiais da patente de major.

Hierarquicamente, os tenentes-coronéis têm mais autoridade e poder de decisão para deflagrar ações e tomar medidas. Eles podem tanto designar viaturas para reforçar o policiamento quanto aumentar a segurança em escolas. Capacidade de gestão que hoje não está presente nos quartéis regionais, segundo justificativa da corporação. As alterações, segundo a PMDF, não terão impacto financeiro.

O vice-governador do DF, Paco Britto, rebateu as afirmações de está priorizando uma categoria.  “O governo vem tratando esse assunto com a maior seriedade e a Secretaria de Fazenda está fazendo os estudos para resolver as pendências e possibilidades de avançar nas propostas. Tudo vem sendo feito em consonância com as lideranças dos policiais”, afirmou ao Metrópoles.

Últimas notícias