DF: mãe diz que filho vítima de incêndio está em coma induzido

Marlene conta que o pequeno Alex, de 4 anos – que teve 99% do corpo queimado na Estrutural –, se encontra na UTI pediátrica do Base

atualizado 19/12/2019 19:35

Reprodução/Arquivo pessoal

O pequeno Alex Sandro Pereira (foto em destaque), uma das vítimas do incêndio que destruiu uma casa na Cidade Estrutural, na manhã de quarta-feira (18/12/2019), está internado em coma induzido no Instituto Hospital de Base do Distrito Federal (IHBDF).

De acordo com o Corpo de Bombeiros do DF (CBMDF), ele teve 99% do corpo queimado pelo fogo e segue em estado grave na UTI pediátrica do hospital.

Além do menino de 4 anos, duas pessoas ficaram feridas por conta das chamas. Samuel Pereira, 20 anos, teve queimaduras nos pés. Sua mãe, a dona de casa Maria de Lourdes Pereira Barbosa, 64, inalou muita fumaça e segue internada no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), respirando com ajuda de aparelhos. Ainda não se sabe qual a causa do incêndio.

0

Segundo a mãe da criança, Marlene Pereira da Silva, 37 anos, ela chegava à residência em que trabalha como empregada doméstica, no Guará, quando recebeu uma ligação avisando sobre o incêndio.

“Eu sempre deixo ele bem cedo na casa da Lourdes e vou para o trabalho. Eu nem tinha chegado ainda quando uma das vizinhas lá me ligou contando que aconteceu essa tragédia. Eu fiquei louca”, lembrou.

Mãe de três crianças, Marlene mora sozinha com o filho caçula na Cidade Estrutural. As duas filhas mais velhas, de 13 e 18 anos, moram na Bahia. “Disseram que ele está numa situação muito grave, todo enfaixado. Ainda estou em choque”, lamentou a mãe.

“Trabalho para ocupar a mente, e meus patrões estão me ajudando bastante. Mas é muito difícil, somos somente nós dois aqui”, afirmou, aos prantos.

Ajuda

Os vizinhos de Maria de Lourdes se mobilizam para ajudar a família vítima do incêndio. A idosa morava na residência há cerca de 25 anos. Filha de Maria, a vendedora Eliane Pereira (foto em destaque), 34, também tenta apoio do governo para conseguir uma nova residência para a família.

“Já estou atrás do auxílio aluguel, porque minha casa é pequena e vou precisar de uma maior para eles morarem comigo”, disse.
Quem puder ajudar a família pode contatar Eliane por meio do número (61) 99551-4765. “O que puderem doar está sendo bem vindo. Porque agora não teremos mais Natal”, lamentou a vendedora.

Últimas notícias