Deputado distrital Hermeto pede afastamento da CPI do Feminicídio

O parlamentar justificou a saída com a morte da irmã. Ele foi proibido pela Justiça de se aproximar da ex-mulher por suposta violência

JP Rodrigues/ MetrópolesJP Rodrigues/ Metrópoles

atualizado 04/11/2019 12:51

O deputado distrital Hermeto (MDB) anunciou o afastamento temporário da Comissão Parlamentar de Inquérito contra o Feminicídio na Câmara Legislativa do DF (CLDF). De acordo com o parlamentar, o motivo foi a morte da irmã, no domingo (03/11/2019).

Em documento direcionado ao presidente da Casa, com data desta segunda-feira (04/11/2019), Hermeto fez o pedido e informa a razão. “Diante desse acontecimento inesperado, e tão sofrido para nós, preciso nesse momento me dedicar à família. Solicito, portanto, que sejam tomadas as providências cabíveis, para que o membro suplente dessa importante comissão de inquérito assuma a vaga”, afirma a nota.

Já foi definido quem entrará no lugar de Hermeto. Será o distrital Eduardo Pedrosa (PTC).

Confira o memorando:

Reprodução

Decisão judicial

O pedido de afastamento de Hermeto por motivo de falecimento familiar ocorreu poucos dias depois de o parlamentar ser obrigado a manter 300 metros de distância da ex-mulher Vanusa Lopes. A determinação veio do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT).

A medida protetiva passou a valer em 30 de outubro. Na decisão, o TJDFT afirma, sem dar detalhes, que há elementos para o pedido de afastamento de Hermeto e Vanusa, proibindo contato do distrital com a ex-mulher por qualquer meio de comunicação, sob pena de ele ser preso em flagrante. O caso está sob investigação da Polícia Civil.

Hermeto nega todas as acusações e afirma que o motivo para a denúncia é a recusa dele em reatar o relacionamento e sua participação na CPI do Feminicídio. O distrital, inclusive, diz que já previa a atitude da ex-mulher no pedido de divórcio.