Justiça proíbe deputado Hermeto de se aproximar da ex-mulher

Ex-companheira denunciou o distrital por agressão. Ele é um dos indicados para participar da CPI do Feminicídio na Câmara Legislativa

Daniel Ferreira/MetrópolesDaniel Ferreira/Metrópoles

atualizado 01/11/2019 16:22

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) determinou, fundamentado na Lei Maria da Penha, que o deputado distrital Hermeto (MDB) mantenha 300 metros de distância da ex-mulher Vanusa Lopes.

A medida protetiva passou a valer na quarta-feira (30/10/2019) e, segundo Vanusa, foi motivada por violência psicológica, moral e destruição da reputação dela.

O deputado e ex-policial militar é um dos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito do Feminicídio (CPI do Feminicídio) da Câmara Legislativa.

Na decisão, o TJDFT afirma, sem dar detalhes, que há elementos para o pedido de afastamento de Hermeto e Vanusa, proibindo contato do distrital com a ex-mulher por qualquer meio de comunicação, sob pena de ele ser preso em flagrante. O caso está sob investigação da Polícia Civil.

“Tenho passado muitas situações difíceis de violência psicológica, moral e destruição da minha imagem. Diante de tudo que tenho vivido, preferi procurar ajuda, pois ele tem feito anulação social, alijamento e proibido que as pessoas falem comigo”, argumentou Vanusa.

Hermeto nega todas as acusações e afirma que o motivo para a denúncia é a recusa dele em reatar o relacionamento e sua participação na CPI do Feminicídio. O distrital, inclusive, diz que já previa a atitude da ex-mulher no pedido de divórcio.

“Eu é que entrei com o pedido de divórcio há mais de um mês, porque ela me traiu. Eu coloquei na petição, há um mês atrás. Ela não aceita que não queira voltar para casa, estou feliz e namorando”, afirmou o deputado.

Ainda segundo Hermeto, “nesta sexta vou entrar com pedido, com meu advogado, para que ela seja enquadrada por denúncia caluniosa. Fui eu que saí de casa e a bloqueei em todas as minhas redes sociais e no WhatsApp. Ela faz isso no momento em que eu estou na CPI para destruir minha imagem política”.

CPI do Feminicídio

Anunciado na última terça-feira (29/10/2019) como um dos membros da CPI do Feminicídio, o deputado assegura que não deixará o colegiado, destinado a investigar crimes contra mulheres no Distrito Federal.

Veja a decisão do TJDFT:

Veja o documento de divórcio de Hermeto, publicado aqui a pedido do deputado:

Divorcio Litigioso Hermeto by Metropoles on Scribd

Últimas notícias