CRM-DF procura “Dr. Bumbum” para notificá-lo sobre julgamento

Denis César Furtado é investigado por crimes como exercício ilegal da profissão, propaganda enganosa e por se recusar a fornecer prontuários

atualizado 18/06/2021 17:37

Doutor BumbumReprodução/Facebook

O Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) publicou edital de notificação nesta sexta-feira (18/6) na tentativa de encontrar Denis César Barros Furtado, mais conhecido como “Doutor Bumbum”.

Segundo o conselho, Furtado está em lugar “incerto e não sabido”. Ele será julgado no próximo dia 3 de agosto em processo ético-profissional.

Ele é investigado por crimes como exercício ilegal da profissão, propaganda enganosa e por se recusar a fornecer prontuários para pacientes. Entre 2016 e 2017, Denis chegou a atender inúmeras pacientes em um escritório na região do Lago Sul.

Procurado pelo Metrópoles, o CRM informou que o processo corre em sigilo. “Caso seja condenado por alguma pena pública, isso será informado posteriormente. O processo segue o trânsito normal, mesmo que o médico não compareça ao julgamento. Ele ainda pode recorrer do resultado ao Conselho Federal de Medicina (CFM)”, explicou.

“O CRM-DF informa, ainda, que o médico citado já foi cassado em outros processos transitados e julgados. Mas, mesmo com a cassação, Denis tem que responder a todas as ações”, esclarece em nota.

0

 

Atualmente, Furtado está indiciado em seis inquéritos policiais. No Rio de Janeiro, Dr. Bumbum foi réu por homicídio doloso qualificado no processo que apura a morte de uma bancária durante um procedimento estético, em 2019.

Na época, com quase um milhão de seguidores nas redes sociais, Denis apresentava-se como médico especializado em bioplastia. A técnica consiste em esculpir, dar volume e moldar os contornos do corpo e da face por meio de preenchimento com biomateriais.

De acordo com a Polícia Civil do DF, há dezenas de ocorrências registradas contra Denis, entre os anos de 2011 e 2018, apenas na capital do país. A maioria das denúncias refere-se à falsidade ideológica, crimes contra o consumidor e exercício ilegal da profissão.

Morte de paciente

Em 2018, o médico teve prisão decretada pela Justiça do Rio de Janeiro, após a morte da paciente Lilian Calixto, 46 anos.

Conforme depoimento de familiares da vítima, a cirurgia de aplicação de silicone nas nádegas seria realizada em Brasília, mas foi transferida para o Rio de Janeiro de última hora. A bancária Lilian Calixto viajou de Cuiabá (MT) à capital fluminense para submeter-se a procedimento estético com o especialista.

A mulher faleceu após ser atendida pelo médico em cobertura localizada na Barra da Tijuca (RJ). Lilian Calixto teve complicações e foi encaminhada pelo próprio especialista para um hospital particular próximo. Chegou ainda lúcida, mas com taquicardia, sudorese intensa e hipotensão. Em seguida, o quadro da paciente se agravou e ela sofreu quatro paradas cardíacas. Após uma hora, morreu.

 

Últimas notícias