Com teto de ICMS, gasolina comum deve voltar a ficar abaixo de R$ 7 no DF

Preço começará a cair nos próximos dias. Redução poderá ser de até R$ 1,20. Mas alívio é temporário e há chances de novo aumento em 2022

atualizado 24/06/2022 16:12

Carro sendo abastecido - MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

O preço do litro da gasolina comum deve voltar a ficar abaixo dos R$ 7 ao longo dos próximos dias no Distrito Federal. Com vetos, o presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou o projeto de lei que limita o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, gás natural, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

Segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis (Sindicombustíveis) do DF, Paulo Tavares, o projeto também alivia o peso de outros impostos, como PIS e Cofins. Com isso, o preço da gasolina e do etanol pode reduzir de R$ 1 a R$ 1,20, dependendo da pauta do ICMS adotada pelos estados e DF.

“Dentro dos próximos dias, apenas com o PIS e Cofins, veremos uma redução de, aproximadamente, R$ 0,69, na gasolina comum, e de R$ 0,24, no etanol. Lembrando que tudo vai depender dos estoques. A redução não atinge o produto que já está nos postos”, pontuou Tavares.

Alívio temporário

Após o último reajuste da Petrobras, o preço da gasolina comum disparou no DF, superando a marca dos R$ 8. A alta atingiu todo o Brasil. A sanção representa apenas um alívio momentâneo. A medida de redução é valida apenas até 31 de dezembro de 2022. Ou seja, em 2023, os tributos voltam ao patamar anterior pressionando os preços.

Além disso, o projeto não vai impactar o diesel. “Tudo indica que o dólar vai aumentar. A recessão nos Estados Unidos vai impactar todo o mundo. E ainda sofremos os efeitos da guerra na Europa. O cenário aponta para uma falta do diesel no planeta no segundo semestre. A tendência para as próximas semanas é de queda dos combustíveis, mas logo em seguida eles devem voltar a subir”, explicou.

Confaz

O impacto do ICMS será definido na reunião Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), composto pelos secretários de Economia dos estados e do DF. Eles definiram qual será a pauta do ICMS adotada para a aplicação da redução.

Estados e DF  podem escolher aplicar os patamares de novembro de 2021 ou os atuais, cujos impactos seriam de, respectivamente, R$ 1,20 ou R$ 1. “Acreditamos que eles vão reajustar para os valores atuais, já que, de novembro para cá, houve reajustes a maior, provocados pela Petrobrás”, comentou Tavares.

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias