metropoles.com

Cachoeira e área de 50 mil metros: veja fotos de chácara que teria motivado chacina

A chácara em que parte das vítimas morava, no Itapoã, avaliada em R$ 2 milhões, seria a motivação dos criminosos para matar a família

atualizado

Compartilhar notícia

Vinícius Schmidt/Metrópoles
Foto-chácara-onde-familia-morava (6)
1 de 1 Foto-chácara-onde-familia-morava (6) - Foto: Vinícius Schmidt/Metrópoles

Avaliado em R$ 2 milhões, o terreno no Itapoã que teria motivado a maior chacina do Distrito Federal tem cachoeira privativa, ampla área de capim de gado e cerca de 5 hectares — equivalentes a 50 mil metros quadrados.

A reportagem esteve na chácara e obteve imagens internas do local onde viviam as vítimas Marcos Antônio Lopes de Oliveira, 54; Renata Juliene Belchior, 52; e Gabriela Belchior de Oliveira, 25. Além deles, moravam na gleba Gideon Batista de Menezes, 55 anos, e Horácio Carlos, 49, presos suspeitos de terem assassinado 10 pessoas da mesma família.

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), Gideon e Horácio, que eram funcionários de Marcos, queriam o terreno para vender em seguida. O plano, então, era assassinar toda a família para tomar posse do imóvel. Inclusive três crianças foram mortas para que não houvesse herdeiros do terreno.

Veja imagens do local antes da invasão:

0

Veja imagens do local após a invasão

0

Alvo de disputa judicial, o terreno, na verdade, não pertencia a Marcos. O homem, segundo os verdadeiros proprietários, teria invadido o local e se recusado sair. Por isso, desde 2020 um processo corre na Justiça para que os donos das terras pudessem retomá-la por meios legais.

Segundo Cristiano de Freitas Fernandes, advogado da família dona do terreno, o caminho que levou Marcos e a família a viverem por três anos nas terras é “repleto de ilegalidade”.

Conforme relatou o especialista ao Metrópoles, a chácara foi adquirida pelos verdadeiros donos em 1982. Anos depois, a dona alugou a uma familiar, que ficou responsável.

Para cuidar da propriedade, foi contratado, em 2012, um funcionário para atuar como caseiro. Entretanto, seis anos depois, o homem abandonou o emprego, criou uma espécie de documento e “transferiu”, por conta própria, a função para um terceiro.

Ao descobrir o que teria acontecido, os proprietários procuraram esse terceiro para cobrar que ele deixasse o lugar, mas o homem disse não ter para onde ir e pediu um tempo para procurar uma casa para morar, e os donos permitiram.

Nesse meio tempo, o homem colocou Marcos no terreno para assumir a chácara no lugar sem informar aos donos. Desde então, a vítima da chacina passou a viver no terreno.

Quando ficaram sabendo que outra pessoa estaria no imóvel, e tomaram ciência dos antecedentes de Marcos, os proprietários procuraram a polícia para relatar o problema e pedir providências. Diante da recusa do homem em deixar a chácara, a família dona do terreno tentou tirar o invasor acionando a Justiça, conforme relatou o advogado da família ao Metrópoles.

Um processo, então, arrastou-se até o fim de 2022, quando os proprietários decidiram encerrar o primeiro processo para iniciar um outro denominado espólio – conjunto de bens que formam o patrimônio de uma pessoa morta, a ser partilhado no inventário entre os herdeiros ou legatários.

“Quando encerramos esse primeiro processo para da iniciar a outro, acredito que Marcos teria achado que o processo teria terminado ali, e que, por isso, ele passaria a ser o dono da terra”, começou o advogado.

“O que sabemos é que ele dizia que, de fato, a propriedade era dele, o que é uma inverdade. Tudo o que aconteceu é uma verdadeira tristeza, ainda mais pelo motivo, uma vez que a família da minha cliente tem os documentos da casa que comprovam quem são os verdadeiros donos. Portanto, como poderiam vender uma propriedade que não é do Marcos, não é verdade?”, finalizou Cristiano.

Infográfico com fotos de vítimas da chacina no DF e suas relações familiares bem como com os assasinos - Metrópoles

Maior Chacina do Distrito Federal

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), Gideon Batista de Menezes, 55 anos, e Horácio Carlos Ferreira Barbosa, 49 anos, que eram funcionários de Marcos, queriam o terreno para vender em seguida. O plano, então, era assassinar toda a família para tomar posse do imóvel.

Os criminosos começaram a planejar a chacina em outubro. No dia 23 daquele mês, alugaram o cativeiro onde manteriam as vítimas.
Em dezembro, a ex-mulher de Marcos Antônio, Cláudia Regina Marques de Oliveira, 55, vendeu uma casa por R$ 200 mil. Assim, o plano dos criminosos passou a envolver, também, o restante da família de Marcos.

Em 28 de dezembro, Marcos Antônio, a esposa dele, Renata Juliene Belchior, 52, e a filha do casal, Gabriela Belchior de Oliveira, 25, foram rendidos. O primeiro a ser morto foi Marcos Antônio, no mesmo dia, segundo a PCDF.

Na data, o plano dos criminosos — Gideon; Fabrício Silva Canhedo, 34; Carlomam dos Santos Nogueira, 26; e um adolescente de 17 anos — era render as vítimas e as encaminharem ao cativeiro.

Gideon, então, permitiu a entrada de Carlomam e do adolescente, para simular um roubo à chácara. Horácio Carlos estava no local e fingiu ser vítima. No entanto, Marcos Antônio teria reagido ao suposto assalto e foi baleado na nunca por Carlomam.

Depois disso, o grupo criminoso enrolou Marcos Antônio em um tapete. A vítima estava ofegante e foi levada, com Renata Juliene e Gabriela, para a casa usada como cativeiro, em Planaltina (DF).

Na mesma noite, Marcos Antônio foi esquartejado, ainda vivo, por Gideon e Horácio Carlos. A dupla enterrou a vítima em uma cova improvisada no terreno.

Durante a madrugada, no cativeiro, o adolescente entrou em pânico ao ver a brutalidade da ação, pulou o muro e fugiu do local.

4 de janeiro

Os criminosos levaram Cláudia Regina e a filha dela, Ana Beatriz Marques de Oliveira, 19, para o local do cárcere.

O grupo conseguiu render a vítima ao simular — com o celular de Marcos Antônio — que Gideon e Horácio Carlos ajudariam na mudança para a nova casa de Cláudia Regina, pois ela havia vendido o imóvel anterior.

Quando Cláudia Regina e a filha Ana Beatriz entraram na casa nova, acabaram rendidas por Carlomam, enquanto os demais também fingiam ser vítimas.

As duas foram levadas para cativeiro: Renata Juliene e Gabriela ficaram em um cômodo; Cláudia Regina e Ana Beatriz, em outro.

12 de janeiro

Thiago Gabriel recebeu um bilhete que o chamava, com a esposa Elizamar da Silva, 39, e os filhos do casal, até a chácara no Itapoã. Os criminosos escreveram um termo usado por Marcos Antônio para tornar a mensagem convincente.

Lá, Thiago acabou rendido. A cabelereira Elizamar foi para o endereço só após sair do trabalho, à noite. Ao chegar, também foi feita refém.

Sem apoio do adolescente, que não quis mais participar do crime, o grupo precisou de um novo ajudante: Carlos Henrique Alves da Silva, 27, conhecido como “Galego”.

De lá, os criminosos seguiram para Cristalina (GO), com Elizamar e os três filhos dela, onde asfixiaram as vítimas e queimaram o carro da cabeleireira. Thiago Gabriel ficou no cativeiro.

“Sempre nas ações de queimar corpos e levá-los para fora do DF, estavam presentes Carlomam, Horácio e Gideon. O Fabrício ficava cuidando do cativeiro”, disse Ricardo Viana, delegado responsável pelo caso.

De madrugada, Carlomam, Horário Carlos e Gideon dirigiram com Renata Juliene e Gabriela, no carro de Marcos Antônio, até Unaí (MG). Lá, eles as asfixiaram e incendiaram o veículo com os corpos das vítimas dentro.

Devido às queimaduras, Gideon não participou dos outros assassinatos.

15 de janeiro

Thiago Gabriel, Cláudia Regina e Ana Beatriz deixaram o cativeiro, no Vale do Sol, em Planaltina (DF) ainda com vida. No entanto, foram levados com os criminosos para um terreno no Núcleo Rural Santos Dumont, a cerca de 5km de onde estavam, onde foram esfaqueados perto de uma cisterna. Em seguida, os assassinos jogaram os cadáveres das vítimas dentro do poço.

“Os criminosos sabiam exatamente o local onde esses corpos ficariam. A vítimas saíram da chácara com vida, e quando chegaram ao local dos assassinatos, foram mortas por objeto cortante”, afirmou o delegado Ricardo Viana.

“[Os corpos de] Ana Beatriz, Cláudia Regina e Thiago Gabriel foram jogados no interior da cisterna e, depois, cobertos com pedras, calhas e terra”, completou.

A execução do plano durou 18 dias. Para a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), os executores da chacina formam uma associação criminosa armada.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações