*
 

A Polícia Civil prendeu, nesta terça-feira (7/11), mais um integrante da Máfia dos Concursos. Edney de Oliveira Santos estava foragido desde a deflagração da segunda fase da Operação Panoptes. Havia mandado de prisão temporária contra ele.

Segundo os investigadores da Divisão Especial de Combate ao Crime Organizado (Deco), Edney Santos aliciava candidatos e fornecia sua conta à organização criminosa para recebimento de pagamentos.

A operação foi deflagrada no dia 30 de outubro, simultaneamente no Distrito Federal e em Goiás. Na capital do país, a polícia cumpriu cinco mandados de prisão preventiva, três de detenção temporária, oito de condução coercitiva e 15 de busca e apreensão.

O grupo, segundo os investigadores, pretendia fraudar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por meio de ponto eletrônico. O ex-funcionário do Cespe (atual Cebraspe) Ricardo Silva do Nascimento foi preso preventivamente. De acordo com as apurações, ele preenchia os gabaritos dentro da instituição vinculada à Universidade de Brasília (UnB).

O ex-coordenador da Polícia Legislativa da CLDF Mário Gomes da Nóbrega foi alvo de condução coercitiva. Um outro envolvido é André Luís dos Santos Pereira, preso na capital goiana.

Ele foi investigado em outra operação da Polícia Civil, a Patrick. Teria comprado uma vaga em um concurso, passou a trabalhar com o líder da Máfia dos Concursos, Helio Ortiz, e, em seguida, migrou para outra quadrilha, aplicando o golpe de uma falsa moeda digital, a Kriptacoin.

 

 

COMENTE

DecoPanoptes
comunicar erro à redação