A Nacional Comunicação vai cuidar dos R$ 12,5 mi da Terracap

A agência foi declarada vencedora da concorrência para a verba publicitária da pasta. Agora, os olhos estão voltados para os R$ 79 mi do GDF

atualizado 10/10/2019 19:09

Daniel Ferreira/Metrópoles

O Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) publicou, nesta quinta-feira (10/10/2019), o resultado final da Concorrência 001/2018, organizada pela Secretaria de Comunicação do Distrito Federal (Secom) e a Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap). O objetivo é o atendimento da conta de publicidade da Terracap e de empresas subsidiárias.

Hoje a propaganda da agência está dividida entre a Calia e a Arcos.

Lançada em 27 de agosto de 2018, a licitação procura uma agência de propaganda que terá verba prevista em R$ 12,5 milhões para o primeiro ano. O contrato poderá ser prorrogado. A primeira data para recebimento das propostas foi em 16 de outubro do ano passado. Doze agências entregaram os envelopes.

Porém, em pleno período de transição entre as equipes de Rodrigo Rollemberg e Ibaneis Rocha, a concorrência acabou suspensa em 5 de dezembro, sem data para ser retomada. Instalado o novo governador, o processo foi reativado. E até ofereceu nova oportunidade de apresentação de projetos. Desta vez, quinze concorrentes apareceram.

Em 23 de julho deste ano, os envelopes das propostas foram abertos no auditório da Terracap. Após as análises técnicas e de preço, os responsáveis colocaram a Agência Nacional de Propaganda em primeiro lugar, seguida da Cia de Comunicação e Propaganda (CC&P) e da Binder+FC.

Os temas

A Nacional escolheu como tema “Terracap, um novo DF com mais desenvolvimento”. A CC&P desenvolveu as peças tendo o lema “Tem ação, tem futuro, tem Terracap”. E a Binder+FC optou por focar sua proposta no processo de regularização fundiária: “Faz a diferença na sua vida. É pra isso que a Terracap regulariza.”

Nesta quinta-feira, a publicação do resultado final no DODF, após a verificação da documentação, não modifica o nome da vencedora, a Agência Nacional de Propaganda. Entretanto, traz uma surpresa: a desclassificação da Binder+FC por “não apresentar os documentos de habilitação”. A agência atualmente cuida das contas do Governo do Distrito Federal (GDF).

 

DODF/Reprodução

De olho na administração direta

A licitação da Terracap pode servir como ensaio para um contrato bem maior: o do próprio GDF, que abriu nova concorrência no início deste ano com o mesmo tipo de seleção, na modalidade chamada Melhor Técnica. A verba prevista pelo edital é de R$ 79 milhões por ano, e a duração chega a até 5 anos.

Desde janeiro de 2017, o governo é atendido pelo trio Binder+FC, Propaganda Desigual (ambos inabilitadas na verba da Terracap) e Propeg. Naquela concorrência, também houve reviravolta: a primeira colocada, Sette Graal, tinha sido desclassificada por ligação familiar entre um dos sócios e um integrante da Agência Brasília, a assessoria de divulgação das ações governamentais. Melhor para a Binder+FC, que tinha sido classificada em quarto lugar e pôde entrar no trio vencedor.

E a licitação de 2019 também tem pedras no caminho. Foi suspensa em julho, cinco dias antes do prazo limite de entrega das propostas. Segundo a Agência Brasília, o governo recebeu questionamentos de empresas e do Sindicato das Agências de Propaganda (Sinapro). Algumas dessas questões serão analisadas, o que poderá ocasionar adequações no texto. Por esta razão, não há novo prazo.

O Metrópoles entrou em contato com a agência Binder+FC. Entretanto, até a última atualização desta matéria, a empresa não havia se pronunciado.

Últimas notícias