metropoles.com

A cada 12 dias, uma pessoa dada como desaparecida é achada morta no DF

Já em janeiro deste ano, quando ocorreu a maior chacina do DF, a proporção subiu para uma pessoa desaparecida achada morta a cada 3 dias

atualizado

Compartilhar notícia

Arquivo Pessoal
Montagem vítimas de chacina em família no DF - Metrópoles
1 de 1 Montagem vítimas de chacina em família no DF - Metrópoles - Foto: Arquivo Pessoal

A cada 12 dias, uma pessoa dada como desaparecida foi encontrada morta no Distrito Federal em 2022, aponta levantamento da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), ao qual o Metrópoles teve acesso.

Nos 12 meses do ano passado, houve 2.402 registros de ocorrência de desaparecidos na PCDF. Destes, 30 acabaram mortos — 1,24% do total.

Já em janeiro deste ano, quando houve a maior chacina da história do DF, a proporção subiu: uma pessoa registrada como desaparecida foi encontrada sem vida a cada três dias. Conforme os dados da corporação, entre os dias 1º e 27 de janeiro, houve 140 ocorrências de pessoas desaparecidas em delegacias do DF. Destas, oito foram encontradas mortas — 5,71%.

Todos com paradeiro desconhecido que foram encontrados mortos tiveram ocorrência de desaparecimento registradas na Polícia Civil. O número real, portanto, pode ser maior que aquele notificado nas delegacias.

De acordo com a Polícia Civil, considera-se desaparecida toda pessoa que, por qualquer circunstância anormal, tenha paradeiro considerado desconhecido, “encontrando-se em lugar incerto e não sabido”.

Localizados vivos

Por outro lado, entre janeiro e dezembro do ano passado, 1.421 desaparecidos no DF foram encontrados com vida. O número equivale a 59% do total.

4 imagens
Nos 12 meses do ano passado, houve 2.402 registros de ocorrência de desaparecidos na PCDF
Destes, 30 acabaram mortos
Já em janeiro deste ano, em que houve a maior chacina da história do DF, a proporção subiu
1 de 4

A cada 12 dias, uma pessoa dada como desaparecida é achada morta no DF

Luis Nova/Especial Metrópoles
2 de 4

Nos 12 meses do ano passado, houve 2.402 registros de ocorrência de desaparecidos na PCDF

Igo Estrela/Metrópoles
3 de 4

Destes, 30 acabaram mortos

Breno Esaki/Especial Metrópoles
4 de 4

Já em janeiro deste ano, em que houve a maior chacina da história do DF, a proporção subiu

Arte/Metrópoles

Chacina no DF

No mês de janeiro, o caso do sumiço de 10 pessoas da mesma família chocou o DF e o país. Com o desenrolar das investigações, a Polícia Civil encontrou e identificou os corpos de todas as vítimas.

A investigação do crime teve desfecho no último dia 27. Ao finalizar o inquérito, o delegado Ricardo Viana, chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), detalhou a cronologia dos assassinatos, bem como os papéis de cada criminoso na execução das vítimas.

A chácara em que parte delas morava, no Itapoã, avaliada em R$ 2 milhões, seria a motivação dos criminosos para matar a família. No terreno, viviam também Gideon Batista de Menezes, 55 anos, e Horácio Carlos, 49 — suspeitos de participar da chacina.

Confira aqui a cronologia do crime.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?