Conteúdo especial

Pesquisa e ciência: Enfermagem é essencial no combate à Covid-19

Profissionais do Brasil são reconhecidos mundialmente por serem um dos maiores produtores de artigos científicos do mundo

atualizado 16/04/2020 13:44

Maior categoria profissional da área de saúde, a enfermagem tem destaque no enfrentamento ao novo coronavírus no Brasil e no mundo. São 2,2 milhões de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem no país que estão 24h ao lado dos pacientes, prestando cuidados, detectando casos suspeitos de Covid-19, observando sinais vitais e indicativos de agravamento do quadro. 

“A enfermagem tem papel crucial na detecção e avaliação dos casos suspeitos, tanto por sua capacidade técnica, quanto pela capilaridade. A enfermagem está em todos os serviços de saúde e em todos os municípios. É o primeiro profissional que atende o paciente. É também aquele que estará ao seu lado prestando cuidados essenciais, em caso de agravamento do quadro”, destaca o conselheiro federal do Conselho Federal de Enfermagem Gilney Guerra. 

Para Gilney, a pandemia da Covid-19 enfatizou ainda mais o trabalho dos profissionais de enfermagem. “É extremamente importante que mostremos ao mundo quem somos e o que fazemos”, afirma o conselheiro federal.

A contribuição vital dos profissionais de enfermagem no combate ao coronavírus mostra que a profissão está pronta para dar um passo gigantesco. São auxiliares, técnicos e enfermeiros, muitos deles especialistas, mestres ou doutores, com amplo conhecimento sanitário. 

Gilney Guerra, conselheiro do Conselho Federal de Enfermagem

Rosemiro Neto, professor e coordenador da Câmara Técnica de Ensino e Pesquisa do Conselho Federal de Enfermagem (CTEP/Cofen), explica que um diferencial das equipes tem sido a alta capacidade de se adaptarem ao cenário atual. “Os profissionais têm pensado na proteção coletiva e individual, buscando desenvolver as melhores práticas para este período e em como atender uma clientela diferente do que estão acostumados”, afirma.

Outro aspecto levantado por Rosemiro diz respeito à pesquisa no campo da enfermagem: no Brasil, ela é reconhecida mundialmente por ser uma das maiores produtoras de artigos.  Esse avanço da pesquisa na enfermagem ganhou maior amplitude a partir dos anos 1990 e vem crescendo cada vez mais nos dias de hoje, formando enfermeiros mestres e doutores no país. “Temos um escopo de pesquisadores respeitados em toda América Latina”, observa.

A enfermagem, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) quanto na iniciativa privada, assume funções em diversas áreas, sendo que o escopo de práticas e atuação é muito mais amplo dentro do SUS, devido aos diversos pontos de atenção e níveis de gestão. “A enfermagem é o sustentáculo do SUS. Se ela sair do SUS, ele se desvai. Os profissionais têm conseguido fazer as políticas públicas acontecerem, sendo implementadas e efetivadas. Essa enfermagem não tem sido valorizada atualmente, nem com salários e nem com reconhecimento público, muito menos pela sociedade”, afirma Rosemiro.

 

Proteger a Enfermagem é proteger a saúde do Brasil

Responsabilidade e preocupação. Essas foram as palavras que o enfermeiro baiano Miller Brandão, intervencionista de Suporte Avançado à Vida e especialista em Urgência e Emergência, usou para definir o atual momento de pandemia. Há 10 anos atuando na profissão, o enfermeiro afirma que, diariamente, tem sido necessário ter duas prioridades em mente: dar o máximo pelo paciente e se proteger para continuar um trabalho de extrema importância. “São nesses momentos que a gente pode olhar e agradecer por poder fazer o bem dentro da nossa profissão”, pontua o enfermeiro.

Manoel Neri, presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), afirma que é importante encontrar mecanismos para proteger os profissionais da enfermagem para que não tenhamos, ainda no início da pandemia, muito profissionais adoecendo. “Se nós não tratarmos dos recursos necessários, vão faltar profissionais para atender a população”, afirma o presidente. 

Além de enfermeiro da linha de frente do atendimento primário a pacientes graves, Miller Brandão também é professor, profissão que lhe garante o papel de orientar os alunos sobre todos os cuidados que o momento requer. O profissional destaca que cabe a ele, na maioria das vezes, tomar decisões coerentes e rápidas para evitar o agravo dos pacientes. “A enfermagem é a categoria da saúde mais relevante nesse processo”, defende Miller. “Estamos no beira leito e nas trincheiras da assistência à saúde. A enfermagem é uma ciência, uma profissão digna e honrosa”, conclui.