Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

Kokay vê motivação política em suposta tortura contra ativista anti-Bolsonaro

Deputada federal informou ter realizado diligências da Comissão de Direitos Humanos, para exigir investigação e punição de responsáveis

atualizado 04/05/2021 17:19

Igo Estrela/Metrópoles

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) informou ter realizado uma diligência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), nesta terça-feira (4/5), para apurar possível tortura praticada contra o ativista Rodrigo Pilha, dentro do Centro de Detenção Provisória II de Brasília. Ele foi preso na frente do Palácio do Planalto, após ter se manifestado contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Realizamos diligência hoje para investigar denúncias de tortura e colher o depoimento do Rodrigo Pilha. Há indícios concretos de que Pilha foi torturado por questões políticas. Vamos produzir relatório pela Comissão de Direitos Humanos e exigir profunda investigação e punição dos responsáveis”, afirmou a parlamentar pelo Twitter.

Erika foi acompanhada pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa (CLDF), Fábio Felix (PSol), que também anunciou a abertura de uma investigação dentro do parlamento local.

“Estive hoje com a Erika Kokay no Centro de Detenção Provisória, como presidente da Comissão de Direitos Humanos, para colher depoimento do ativista Rodrigo Pilha. Fomos apurar a denúncia de que ele foi torturado na prisão”, escreveu o distrital.

Na última sexta-feira (30/4), o presidente da comissão, Carlos Veras (PT-PE), já havia solicitado que o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) apurasse as supostas agressões contra o manifestante.

Rodrigo Grassi Cadermatori, o Rodrigo Pilha, foi preso em 18 de março, após estender uma faixa contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com a palavra “genocida”, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Ele foi transferido para o Centro de Detenção Provisória II em 19 de março.

Segundo reportagem da revista Fórum, publicada na noite de quinta-feira (29/4), Rodrigo Pilha teria sido espancado e torturado por agentes penitenciários, após ser transferido.

A Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape-DF) informou, em nota enviada ao Metrópoles, que irá instaurar um Procedimento Preliminar Apuratório para investigar supostas agressões contra o ativista.

Veja as publicações:

Veja a nota:

“A Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape/DF) informa que, atualmente, o reeducando R. G. C. cumpre pena no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), que tem características de casa de albergado.

No local não há celas. A unidade prisional é composta por três blocos. O interno se encontra recolhido com outros cerca de 300 reeducandos que saem durante o dia para trabalhar e retornam para pernoitar na unidade.

Os blocos são equipados com camas tipo beliche e banheiros. O atendimento médico é oferecido por equipes multiprofissionais de saúde, presentes em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) do sistema prisional. O estado de saúde do interno é considerado normal. Até o momento, não se envolveu em nenhum tipo de intercorrência na unidade prisional.

Ressalte-se que a Seape não coaduna com qualquer desvio de conduta por parte de seus servidores e, visando ao esclarecimento da referida notícia, irá instaurar um Procedimento Preliminar Apuratório acerca do ocorrido.”

Últimas notícias