Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Estudo avalia o progresso de 15 empresas de moda em ações sustentáveis

A edição inaugural do BoF Sustainability Index analisa o impacto ambiental e social dessas companhias, avaliadas em seis categorias

atualizado 01/04/2021 12:01

Fábrica de roupasRio Lecatompessy/Unsplash

A sustentabilidade se tornou um assunto relevante na indústria da moda nos últimos anos. Várias empresas do setor passaram a anunciar ações e metas para melhorar o impacto ambiental e social. Promessas à parte, será que elas estão realmente fazendo a diferença? O Business of Fashion investigou e comparou as ações sustentáveis das 15 maiores companhias de moda. O resultado foi divulgado na edição inaugural do relatório BoF Sustainability Index, divulgado no fim de março.

Vem conferir os insights do estudo!

@matvoyce/Giphy/Reprodução

A ideia do relatório é avaliar se as empresas estão realmente progredindo para evitar mudanças climáticas e ampliar o bem-estar social. Devido à influência cultural e à escala mundial da indústria da moda, o BoF avaliou que essas companhias têm 10 anos para promoverem mudanças significativas. Assim, desenvolveu um balanço comparativo para identificar as lacunas entre o discurso e a ação, além de evidenciar questões importantes para concretizar esses avanços.

As 15 grandes empresas analisadas pelo BoF foram selecionadas pela receita anual gerada em 2019 e divididas em três grupos. São eles: luxo (Kering, PVH Corp, Hermès, LVMH e Richemont), high street (H&M Group, Levi Strauss & Co, Inditex, Gap Inc e Fast Retailing) e moda esportiva (Nike, Puma, VF Corp, Adidas e Under Armour).

As comparações foram reunidas em seis categorias: transparência, emissões, água e produtos químicos, materiais, direitos trabalhistas e desperdício. Entre elas, o estudo definiu 16 metas para serem alcançadas até 2022, 2025 ou 2030. A média geral da indústria ficou em 36 pontos de 100. Na pontuação final, as três empresas mais bem colocadas foram Kering (49), Nike (47) e Puma (44). Em contrapartida, Under Armour (9), Richemont (14) e Fast Retailing (23) têm os índices mais baixos.

“O objetivo do Índice não é celebrar ou punir qualquer empresa, mas fazer um balanço do progresso que foi feito, aproveitar os dados para identificar objetivamente as deficiências e estabelecer uma estrutura clara para avanços futuros”, explicou o BoF. Além disso, o veículo de comunicação de moda enfatiza que os dados não devem ser vistos como uma medida absoluta. Caso alguma empresa não tenha correspondido a algum dos critérios, não significa que ela esteja inerte ou promovendo más práticas.

O relatório analisou 5 mil pontos de dados públicos disponibilizados até o dia 31 de dezembro de 2020. Ou seja, o resultado leva em conta informações divulgadas pelas próprias empresas. O desempenho foi avaliado por meio de 338 métricas binárias, pontuadas em “sim” ou “não”. As metas distribuídas entre as categorias foram estabelecidas pelo Conselho de Sustentabilidade, formado pelo BoF, com 12 especialistas externos.

Capa da edição inaugural do BoF Sustainability Index
Capa da edição inaugural do BoF Sustainability Index, divulgada em março, traz o título: “A lacuna da sustentabilidade: como a moda se compara”

 

Confira abaixo as particularidades em cada categoria:

1. Transparência

De maneira geral, a transparência foi o aspecto mais bem avaliado entre as 15 empresas, com duas a cada três atingindo pelo menos 50 pontos. Mesmo assim, a média geral indica que as companhias cumpriram menos da metade das metas definidas pelo estudo para 2022: obter rastreamento total da cadeia de abastecimento e divulgar fornecedores; analisar e divulgar dados relativos ao impacto ambiental e social.

O estudo apontou dificuldade de encontrar dados referentes a esses tópicos. Em muitos casos, são limitados ou não têm rigor científico. O BoF aponta que nenhuma das empresas avaliadas fornece um catálogo completo sobre seus processos de fabricação, enquanto apenas metade lista todos os fornecedores diretos. Transparência é fundamental para garantir práticas comerciais éticas e localizar a origem dos produtos.

Gráfico do Business of Fashion Sustainability Index sobre transparência
Gráfico traduzido

 

Costureira segurando placa Eu fiz suas roupas
Transparência é algo fundamental para garantir boas práticas na indústria e localizar a origem dos produtos

 

Badico Confecções, Diadema, São Paulo. Brasil
Apesar de transparência ser a categoria com avaliação mais alta no relatório, a indústria ainda deixa a desejar nesse aspecto

 

2. Emissões

A indústria fashion pode não ajudar a limitar o aquecimento global em até 1,5° C, se não reduzir significativamente suas emissões de gases do efeito estufa, que representam de 4% a 10% do total global. Quase metade das empresas analisadas pelo estudo têm propósitos com embasamento científico e metas alinhadas com o Acordo de Paris.

Por outro lado, a maioria das companhias precisa de metas para reduzir as emissões indiretas, como viagens e distribuição de produtos. Treze das empresas indicaram que pretendem usar energia renovável em todas as suas operações. Richemont, LVMH e Under Armour não têm metas públicas para diminuir emissões indiretas, mas pretendem instituí-las. A meta desta categoria é a redução absoluta de 45% nas emissões de gases do efeito estufa até 2030.

Gráfico do Business of Fashion Sustainability Index sobre emissões de gás
Gráfico traduzido

 

Chaminé com fumaça
Quase metade das empresas analisadas têm propósitos de diminuírem suas emissões de gases do efeito estufa

 

Floresta
Por outro lado, mais da metade da indústria precisa de metas para reduzir as emissões indiretas

 

3. Água e químicos

Nesta categoria, as metas até 2030 são reduzir: o uso de água, a poluição prejudicial (como os resíduos do processo de tingimento) e o uso de produtos químicos perigosos (pesticidas no cultivo de algodão, por exemplo). Além disso, engajar a indústria a minimizar a poluição por microfibras.

O estudo explica que as empresas estão dando passos lentos em divulgar riscos hídricos e a forma como estão detendo esses problemas. Menos da metade das empresas analisadas tem metas quantitativas para reduzir o uso do recurso e a poluição na cadeia de suprimentos. Em contrapartida, um grupo pequeno pretende defini-las dentro do contexto de seus recursos locais.

Um terço das companhias não disponibilizou dados sobre a poluição por água residual; outra parcela fez isso de maneira limitada ou irregular. Felizmente, duas a cada três delas estão tomando providências para evitar a poluição por microfibras, mas somente cinco informam como isso tem afetado o desenvolvimento das peças.

Gráfico do Business of Fashion Sustainability Index sobre água e produtos químicos
Gráfico traduzido

 

Poluição no mar
Duas a cada três empresas avaliadas informaram que estão tomando providências para evitar a poluição por microfibras

 

Homem em praia poluída
Por outro lado, só cinco informam como estão desenvolvendo as peças para evitar esse problema

 

4. Materiais

A quarta categoria do relatório propõe que as companhias adquiram, até 2022, somente materiais ecologicamente e socialmente progressivos. Até 2030, espera eliminar o uso de poliéster e só usar fibras naturais que sejam de fontes socialmente responsáveis e regenerativas. Apenas quatro empresas do estudo têm metas com limite de tempo para substituir o poliéster por alternativas recicladas.

Todas as companhias analisadas estão trabalhando para usar matérias-primas mais sustentáveis, com ajuda de certificações. Observou-se, porém, que faltam dados quantitativos sobre o impacto ambiental e social das práticas de abastecimento já adotadas. A maioria das empresas pretende usar materiais de fontes responsáveis até 2025 e, em geral, as empresas têm se interessado por práticas agrícolas que promovam a saúde do solo e a biodiversidade.

Gráfico do Business of Fashion Sustainability Index sobre materiais
Gráfico traduzido

 

Trabalhador da indústria têxtil
Todas as empresas analisadas pretendem usar matérias-primas mais sustentáveis

 

Funcionárias de fábrica da Zara
Por outro lado, dados para qualificar o impacto dessas alternativas ainda são limitados

 

5. Direitos Trabalhistas

Esta é uma das categorias com pior desempenho no índice. “Todas as marcas examinadas no Índice têm políticas corporativas bem estabelecidas para apoiar os direitos de trabalho, mas, depois de anos de foco, isso é considerado uma linha de base”, diz o relatório. O BoF informa que nenhuma empresa divulgou a proporção de funcionários da cadeia de suprimentos que recebem salário mínimo. Apenas um quinto delas detalhou planos para garantir remunerações dignas a toda a cadeia produtiva.

“Oito das empresas indicaram que seus esforços para monitorar os direitos trabalhistas se estendem por todo o segundo nível de sua cadeia de abastecimento, mas apenas um quinto divulgou informações sobre os resultados das auditorias neste nível, com vários graus de regularidade e granularidade”, aponta o estudo. Só Inditex, PVH Corp e H&M Group já se comprometeram publicamente a garantir um salário mínimo que supra todas as necessidades do empregado e sua família, segundo o Sustainability Index.

Gráfico do Business of Fashion Sustainability Index sobre direitos trabalhistas
Gráfico traduzido

 

Trabalhadores de fábrica têxtil
Estratégias corporativas, práticas de compra e salários dignos são o foco da quinta categoria do estudo, dedicada aos direitos trabalhistas

 

Trabalhador de fábrica têxtil
Apesar de todas as marcas examinadas terem políticas corporativas para apoiar os direitos trabalhistas, há lacunas nas informações divulgadas a respeito de como isso se aplica, na prática

 

6. Desperdício

A categoria final tem as piores performances de todo o Sustainability Index. Nesta etapa, o estudo analisou o descarte de lixo para aterros sanitários e embalagem plásticas, a produção com desperdício zero e os modelos de negócio circular. Apesar de todas as promessas das gigantes da moda quando o assunto é circularidade, alinhar discurso e prática não é tão fácil.

“Quase todas as empresas tinham objetivos gerais para reduzir o desperdício e o uso de plástico, mas informações sobre o progresso em direção a essas metas era inconsistente, tornando muito difícil mensurar”, apontou o BoF. As gigantes esportivas Adidas, Nike e Puma foram as únicas a fornecerem dados sobre resíduos em suas operações.

Pouco mais de um terço das companhias está produzindo algumas roupas para serem recicláveis. A maioria informou que possui esquemas de troca de peças antigas, mas informações sobre o volume coletado ou a destinação ainda são bem limitadas. Segundo a Ellen MacArthur Foundation, 40 milhões de toneladas de lixo têxtil vão parar nos aterros sanitários todos os anos.

Gráfico do Business of Fashion Sustainability Index sobre desperdício
Gráfico traduzido

 

Lixo têxtil
Quarenta milhões de toneladas de lixo têxtil vão parar nos aterros sanitários anualmente, segundo a Ellen MacArthur Foundation

 

Calçados usados
A última categoria do estudo analisa o desperdício na indústria e registrou a pior performance entre todas as seis, de acordo com as informações públicas das empresas

 

Desafios e oportunidades

Com menos de 10 anos para as metas serem cumpridas, o BoF avalia que é hora de sair do discurso e partir para a ação. É necessário investir em transparência verdadeira e demonstrar conhecimento de todas as etapas da cadeia produtiva.

Além disso, deve-se dispor essas informações de maneira clara, incluindo os valores destinados a concretizar os planos propostos. O download da edição inaugural do relatório está disponível neste link.


Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias