Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Copacabana, cenário político e poesia inspiram coleções do SPFW 25 anos

Marcas como Handred, LED, Renata Buzzo, Juliana Jabour, João Pimenta, Martins, Modem e ÃO apresentaram novidades nos dias 6 e 7

atualizado 08/11/2020 10:20

Modelo com o rosto tampado e spikes contornando a cabeça. na apresentação da marca João Pimenta, durante o SPFW 25 AnosLeo Faria/João Pimenta/Divulgação

Em meio às limitações da pandemia do novo coronavírus, a edição de 25 anos do São Paulo Fashion Week está sendo realizada 100% digitalmente. O lineup da sexta-feira (6/11) reuniu apresentações com conceitos marcantes, incluindo a criatividade confrontadora da LED; o ar poético da estreante Renata Buzzo; o punk esportivo e romântico de Juliana Jabour; e a coleção ensolarada da Handred; além do desfile crítico e impactante da grife João Pimenta.

Já nesse sábado (7/11), chamaram atenção: o vídeo repleto de movimento da Martins; a reflexão sobre o tempo, da Modem; e o mistério da label ÃO. Na lista abaixo, a coluna reuniu alguns dos principais momentos dos últimos dias.

Vem comigo conferir!

Giphy/João Pimenta/Reprodução

LED

Célio Dias usa a criatividade da moda para questionar o cenário político atual do Brasil na nova coleção da Led, intitulada Brasileira. O trabalho reúne o crochê, técnica muito presente nas criações da marca nos últimos três anos, e customizações que ressignificam peças que estavam no acervo da marca, firmando uma pegada mais sustentável. Tingimentos em cores marcantes, feitos por artesãos locais, e o tie-dye acrescentam personalidade às peças. São 36 looks, ao todo.

No desfile virtual, com direção do vídeo por Carlos Queiroz, rapazes desfilam com peças tradicionalmente estereotipadas como femininas, como calcinhas fio dental, tops e itens vazados e reveladores, subvertendo a ideia de gênero. Uma modelo também divide as peças com modelagens amplas da label. Nas estampas, frases contra o machismo e a LGBTfobia, como “abaixo o macho astral”. O styling foi de Thiago Ferraz, enquanto Max Blum cuidou da trilha sonora.

“É inspirada no momento em que eu estou vivendo. É justamente uma vontade de retomar esse Brasil que eu acho que se perdeu um pouco no momento político em que estamos. Sinto que precisamos dar uma retomada no orgulho de ser brasileiro. Sempre tive orgulho do que o nosso país tem”, destacou o designer na live do SPFW.

SPFW 25 Anos - LED
O crochê é um dos principais pilares da LED nos últimos três anos e aparece em vários looks da nova coleção

 

SPFW 25 Anos - LED
A camiseta com o desenho de um rosto triste faz referência ao cenário político atual. Repare na mistura de poá e tie-dye da camisa

 

SPFW 25 Anos - LED
Mais tie-dye por aqui

 

SPFW 25 Anos - LED
A apresentação da marca subverte a ideia de gênero, com modelos masculinos usando peças que, tradicionalmente, são destinadas ao público feminino

 

SPFW 25 Anos - LED
A bandeira do Brasil sem cores aparece como elemento das peças

 

 

Renata Buzzo

A leveza dos novos vestidos de Renata Buzzo é combinada com o tom poético do vídeo que apresenta as peças. Silenciosamente, por meio de legendas, a produção é conduzida por um poema feito pela própria designer em fevereiro. “Gosto de escrever. Falo que escrevo para expurgar todos os medos e, às vezes, esses textos acabam virando coleções”, contou ela na live oficial do evento. O texto, batizado de Estudos Melancólicos, reflete sobre inércia, cansaço e introspecção.

Duas modelos desfilam e posam com vestidos repletos de faixas de tecido, franjas formadas por retalhos amarrados e materiais transparentes. A cintura é ora reta, ora marcada, e o comprimento das mangas varia entre opções longas, estilo bishop, e alças. Como na maioria das criações da estilista, que é estreante no lineup do SPFW, as texturas também dão um tom diferencial, especialmente pelas nervuras. Vale lembrar que a marca é vegana, slow fashion e zero desperdício.

SPFW 25 Anos - Renata Buzzo
Nervuras e faixas de tecido neste vestido de Renata Buzzo

 

SPFW 25 Anos - Renata Buzzo
Pedaços de tecido amarrados dão origem a franjas, que combinam com a leveza dos tecidos

 

SPFW 25 Anos - Renata Buzzo
O compilado mescla cores fortes e suaves

 

SPFW 25 Anos - Renata Buzzo
Mangas bufantes em tecido semitransparente

 

SPFW 25 Anos - Renata Buzzo
A estilista costuma trabalhar texturas interessantes, como esta

 

 

Juliana Jabour

A coleção de Juliana Jabour, exibida em um desfile gravado, mescla romantismo, streetwear e uma pegada punk dos anos 1980, que apareceu especialmente nos acessórios e na maquiagem. Vestidos com camadas de babados e saias esvoaçantes são combinados com moletons urbanos. Outros modelos carregam uma pegada oitentista nos volumes, especialmente nas mangas com ombros exagerados, que também aparecem em blazers.

Nesta coleção, que marca o retorno de Jabour ao SPFW após dois anos, ela traz uma parceria com a New Era, marca que desenvolve os bonés da Liga Norte-Americana de Baseball (MBL, na sigla original). O resultado surge em estampas, bordados e patches na forma de bandeiras esportivas. Em especial, dos times Arizona Diamondbacks, Los Angeles Dodgers, New York Yankees e Pittsburgh Pirates, alguns dos mais aclamados da categoria.

Daniel Ueda assina o styling do desfile e Gui Yoshida, a captação de imagens e edição. Essa coleção deu origem a uma cápsula que estará disponível a partir da semana que vem na loja New Era (São Paulo), e também no e-commerce da grife e no marketplace Cartel 011.

SPFW 25 Anos - Juliana Jabour
Referência ao time de beisebol Los Angeles Dodgers na nova coleção de Juliana Jabour. As mangas de várias peças são propositalmente exageradas, especialmente nos ombros

 

SPFW 25 Anos - Juliana Jabour
Bandeiras de times de beisebol se transformam em estampas. A coleção também inclui parceria com a marca New Era

 

SPFW 25 Anos - Juliana Jabour
Moletons, combinados com vestidos de babados maxi, fazem uma mistura de streetwear e romantismo

 

SPFW 25 Anos - Juliana Jabour
Mais volume e estampas por aqui

 

SPFW 25 Anos - Juliana Jabour
Vestido dramático e volumoso

 

 

Handred

O ano de 2020 transformou o que seria uma coleção de inverno da Handred em um compilado de peças ensolaradas, para o alto verão. Cada detalhe das roupas ressoa uma homenagem a Copacabana, famoso bairro do Rio de Janeiro. Os shapes e os detalhes geométricos resgatam a nostalgia de outros tempos, como as butiques e confecções das décadas de 1970 e 1980, que também inspiram a pegada das peças.

Uma camisa branca longa, usada com uma calça da mesma cor, abriu o desfile. Peças leves, incluindo macacões e itens estampados, que são a cara da pegada da marca, surgiram numa cartela que reuniu bege, azul marinho e cores quentes nos motivos que remetem a essa parte especial da capital fluminense.

“Chegamos em Copacabana de um jeito natural, sentimos o magnetismo. Bairro que reúne memórias da moda, ícones visuais, ritmos e pessoas. É cultura viva, encontro de fluxos. É, sobretudo, inspiração”, definiu a marca. O filme-desfile foi dirigido por Poliana Pieratti. Já a trilha sonora é de Maria Luiza Jobim.

SPFW 25 Anos - Handred
Camisa longa da coleção Copacabana, da Handred

 

SPFW 25 Anos - Handred
Design com um quê nostálgico

 

SPFW 25 Anos - Handred
Toda a coleção é uma ode ao famoso bairro do Rio de Janeiro

 

SPFW 25 Anos - Handred
Mix de estampas harmônicas

 

SPFW 25 Anos - Handred
Fluidez e estampa quadriculada

 

 

João Pimenta

Com uma apresentação digital impactante, João Pimenta encerrou o cronograma da sexta-feira (06/11). A ideia foi retratar as dificuldades sem precedentes causadas pela pandemia e a crise geral que assombra o mundo. A forte mensagem foi passada com modelos vestidos da cabeça aos pés, sem pele ou sinais vitais à mostra.

“O ano de 2020 iniciou de maneira irregular e o ser humano teve um choque. Por todo o planeta o medo, a insegurança e a presença de algo imperceptível sobressaltou a todos. Estancados, reviramos a história e por um instante os pulmões interromperam suas atividades. Faltou, literalmente, o ar”, apontou a marca, em comunicado.

O paradoxo da realidade chegou aos visuais. Alegórica e com toque de mistério, a coleção é muito mais crítica do que simplesmente fashionista. Com o objetivo de gerar reflexão, a label nos lembra que não existe mudança sem a existência de uma subcultura. Afinal, o pós-apocalíptico é, de certa forma, uma oposição ao sistema dominante. Algumas referências a palhaços possivelmente remetem aos “bozos” do cenário político, que, na realidade, seguirão mostrando o que há de mais tenebroso na sociedade.

Na paleta, destaque para o cinza e o azul, assim como tons rosáceos e terrosos. O estilista apostou em alfaiataria com sobreposições, visuais compostos por retalhos, rendas, babados, balonês e mangas bufantes. Vale reparar também nas silhuetas retas e no trabalho manual, que pode ser percebido em bordados e crochês. Para completar, a força do punk é retratada com spikes pesados.

Apresentação da marca João Pimenta no SPFW 25 Anos
“2020 – O ano que paramos de respirar” é o conceito da grife João Pimenta

 

Apresentação da marca João Pimenta no SPFW 25 Anos
A coleção é política, questionadora e intensa. No desfile virtual, styling de Léo Augusto

 

Apresentação da marca João Pimenta no SPFW 25 Anos
Modelos entraram no desfile virtual cobertos da cabeça aos pés

 

Apresentação da marca João Pimenta no SPFW 25 Anos
A força está nos detalhes

 

Apresentação da marca João Pimenta no SPFW 25 Anos
“As soluções preventivas recuperam máscaras e luvas. O indivíduo deixou sua identidade coberta. Brilharam apenas os olhos, alegres ou tristes, contudo a comunicação do olhar passou a ser essencial”, destacou a marca

 

Apresentação da marca João Pimenta no SPFW 25 Anos
João Pimenta nos faz lembrar que o pós-apocalíptico é, de certa forma, uma subcultura

 

Apresentação da marca João Pimenta no SPFW 25 Anos
Exagero alegórico e certeiro

 

 

Martins

Estreante no evento, a Martins veio da Casa de Criadores. Para o debute SPFW, a etiqueta preparou um filme-conceito que foca “no produto e suas possibilidades enquanto uso”, com direção de Gustavo Zylbersztajn e produção do Estúdio Choix. Em meio a batidas eletrônicas, modelos entraram no ritmo da dança.

Fundador e diretor criativo da marca, Tom Martins manteve a brincadeira com proporções, que está no DNA das criações, tendo o oversized como a regra. O fluido se mistura ao amplo, com caimento despreocupado e movimento.

Mangas exageradas, volumes dramáticos e texturas variadas não poderiam faltar. Um ponto-chave da coleção são as estampas. Padronagens abstratas de tonalidades enérgicas dividem espaço com listras, animal print e xadrez.

Martins no SPFW 25 Anos
A Martins fez parte pela primeira vez do lineup do SPFW

 

Martins no SPFW 25 Anos
A marca não deixou de lado as modelagens amplas

 

Martins no SPFW 25 Anos
As estampas chamaram atenção

 

Modem

“O que representa o tempo?” foi o questionamento que a Modem levou para a edição de 25 anos do São Paulo Fashion Week. Com foco no resgate do próprio âmago, por meio de uma repaginação do acervo, a label investiu em uma alfaiataria desconstruída em uma paleta sóbria.

O estilista André Boffano, diretor criativo da Modem, escolheu mergulhar nos arquivos de cinco anos da marca, em um vídeo conceitual que reflete sobre fases da vida por meio de depoimentos das modelos convidadas. No total, 15 visuais foram revelados. A pegada industrial marcou presença. Gola alta, luvas e assimetria deram a pitada final.

“A gente fala muito de propósito, de por que ter uma marca de moda hoje em dia. Para mim, a pandemia foi essencial para focar na essência de propósito da Modem”, afirmou André Boffano na live oficial do evento. “São desafios muito diferentes [do presencial para o digital], porque na passarela a gente já tem o entendimento de como cativar o público presente. Mas no vídeo a gente tem que fazer com que o telespectador não feche a tela”, completou.

Apresentação da marca Modem no SPFW 25 Anos
A ideia foi oferecer uma alfaiataria desconstruída. O styling é assinado por João Victor Borges

 

Apresentação da marca Modem no SPFW 25 Anos
Por meio de vídeo, a Modem apresentou a coleção que resgata o histórico de cinco anos da marca

 

Apresentação da marca Modem no SPFW 25 Anos
A cartela de tonalidades é sóbria, com direito a tons terrosos

 

Apresentação da marca Modem no SPFW 25 Anos
Camadas construídas com sobreposição

 

Apresentação da marca Modem no SPFW 25 Anos
André Boffano quis resgatar a essência da Modem

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por São Paulo Fashion Week (@spfw) em

 

ÃO

Anteriormente, a ÃO havia participado da semana de moda paulista por meio do Projeto Estufa, uma espécie de laboratório de novos talentos. Para a primeira vez no calendário oficial, a marca comandada por Marina Dalgalarrondo seguiu a linha já conhecida de que o bizarro pode ser interessante.

A primavera/verão 2021 foi apresentada por meio de um filme dirigido por Vitoria de Mello Franco. Batizado de Serão, o conteúdo foi definido pela grife como “um delírio despertado pela face criativa do medo”.

O curta-metragem se passa na escuridão da floresta, retratando o desconhecido. No local sombrio, equipamentos de ginástica surgem em meio à natureza. “Os reflexos do instinto e o funcionamento mecânico dos aparatos se unificam e formam um todo que contempla o prazer e o terror. Na seriedade, está um tipo extraordinário de alegria”, explicou a ÃO, em nota.

A coleção é a representação da variedade. Os universos do sportwear, da alfaiataria e da moulage (técnica de tridimensionalidade) se misturam com maestria. Desenvolvidas pela Gansho, as padronagens são extremamente inusitadas. 

“As estampas surgiram a partir de Quimeras (Combinação incongruente de elementos diversos) e são composições entre partes do corpo (pés, orelhas e mamilos), ecossistemas (florestas inteiras à microrganismos) e objetos ordinários em materiais variados (plásticos, metais e borrachas)”, esclareceu a etiqueta.

Trecho do filme Serão, da marca ÃO, apresentado no SPFW 25 Anos
Comandada por Marina Dalgalarrondo, a ÃO revelou a coleção de spring/summer 2021

 

Trecho do filme Serão, da marca ÃO, apresentado no SPFW 25 Anos
Os visuais autênticos fizeram parte do filme Serão, transmitido como parte do lineup do SPFW

 

Trecho do filme Serão, da marca ÃO, apresentado no SPFW 25 Anos
Nas cenas, gravadas em uma floresta, o ar sombrio contempla aparelhos de ginástica na escuridão

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por São Paulo Fashion Week (@spfw) em

 

O São Paulo Fashion Week 25 Anos será encerrado neste domingo (8/11). O lineup do último dia traz nomes como Gloria Coelho, Apartamento 03, Aluf, Angela Brito, Neriage e Isaac Silva. A marca homônima do estilista Ronaldo Fraga finalizará a programação.


Colaboraram Rebeca Ligabue e Hebert Madeira

Últimas notícias