Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Sabrina Pessoa, Marcella Freitas, Carina Benedetti e Luiz Maza

Conheça as cores e os símbolos que são marcas registradas na moda

Laranja da Hermés, vermelho Valentino e xadrez Burberry são exemplos de como etiquetas e estilistas criaram ícones que sobreviveram ao tempo

atualizado 04/05/2022 20:05

Mulher andando com sacola laranja da marca Hermès. Ela usa meia calça preta fina, uma bota preta de cano alto e um saia também preta.Edward Berthelot/Getty Images

Um dos grandes trunfos de qualquer marca é criar um símbolo que, quando as pessoas batem o olho, identifiquem imediatamente a origem. É o que acontece com o “M” do McDonald’s ou com a maçã da Apple, por exemplo. No mundo da moda, não poderia ser diferente: vários estilistas conseguiram desenvolver ícones que ganharam vida própria. 

Vem saber mais!

Giphy/Burberry/Divulgação

Algumas imagens perduram décadas e viram símbolos registrados. Coco Chanel “deu aula” de como criar sua própria marca: apropriou-se da flor camélia, das pérolas e dos conjuntos de tweed, além de muitos outros. A estética ficou tão forte que a sua etiqueta – que já foi comandada por Karl Lagerfeld e Virginie Viard desde 1971, quando a francesa faleceu – segue apostando nos signos. 

Reconhecer essas imagens, porém, requer estudo da história da moda e o treinamento do olhar. Quanto mais lemos sobre o assunto e ficamos atentos a como o design é incorporado ao dia a dia, mais bagagens temos. Pensando em te dar um empurrãozinho, reunimos símbolos e cores importantes para conhecer e saber mais sobre moda.

Fotografia da estilista Coco Chanel em 1926. Ela usa um conjunto de saia e blazer claro, chápeu e colares de pérola e de corrente, além de pulseiras. Ela está encostada em uma bancada com os braços cruzados.
A elegância dos colares de pérola é um dos legados da estilista Coco Chanel

 

Bolsa preta da marca Chanel que imita a textura de várias flores Camélia. A pessoa segura uma sacola da mesma marca, a Chanel, como se tivesse saindo da loja
A camélia vira e mexe aparece nas coleções da Chanel, não apenas em detalhes, mas como protagonista de peças, como a bolsa acima

 

Fila final de desfile da marca Chanel. A coleção apresentada é a de outono/inverno de 2022 e a maioria das modelos usa roupas pretas, meia calça e sapatilhas
O tweed foi a estrela da coleção de outono/inverno 2022 da Chanel. O tecido apareceu nos looks e até nos acessórios, como bolsas e boinas
Começou com um esmalte

Diga o que quiser, mas o francês Christian Louboutin soube deixar sua marca na moda ao criar os sapatos que são facilmente identificados graças ao solado vermelho. A etiqueta homônima, fundada em 1992, teve a história redefinida quando o designer viu a própria secretária pintando as unhas de vermelho e teve a ideia de passar a tinta na sola de um calçado. 

Salto alto fino, modelo Scarpin, da marca Louboutin. O sapato é preto com o solado e a parte interna vermelhos
O clássico scarpin preto com solado vermelho da Louboutin

 

Mulher branca de cabelo preto ondulado sentada em estruturas douradas. Ela usa uma jaqueta marrom, uma camisa branca e sapatos e bolsa da marca Louboutin.
Ao longo dos anos, a label expandiu a linha de produtos e passou a oferecer não só diferentes modelos de sapatos, mas também tênis e até acessórios

 

Bolsa preta com detalhes vermelhos e dourados da marca Louboutin
A “sola vermelha” também tem vez nos acessórios
Laranja Hermés

A francesa Hermèsuma das mais antigas, fundada em 1837 – tem o laranja como cor assinatura não por causa de um produto específico, mas sim pelas caixas. Em 1940, por conta da Segunda Guerra Mundial, a marca ficou sem estoque de caixas beges e precisou trocar o tom das embalagens.

A partir daí, o “laranja Hermès” ficou associado a uma caixa que vem com algum produto desejado. Contudo, a tonalidade também é usada em vários itens da etiqueta, inclusive nas famosas bolsas Birkin e Kelly.

Campanha de produtos da Hermès. Na foto é possível ver um lenço estampado da marca, além das tradicionais caixas laranjas.
Foi a escassez de materiais durante a Segunda Guerra Mundial que levou a Hermès a adotar as embalagens laranjas

 

Modelos andando pela rua durante a Semana de Moda de Paris. A primeira é uma mulher negra de cabelo curto que usa calça jeans, casaco puffer laranja, uma bolsa rosa da Balenciaga e sacola laranja da marca Hermès. A mulher de trás é branca e loura e usa calça jeans e uma blusa cropped. As duas estão acenando com a mão
Por ser uma marca exclusiva e restrita, as embalagens da marca ficaram associadas à raridade

 

Esmaltes da Hermès e caixa da mesma marca. Dois dos produtos são em um tom de vinho e o terceiro esmalte é verde.
As tradicionais embalagens carregam desde roupas e acessórios até maquiagens
V de Vermelho

O italiano Valentino Garavani também foi outro que acabou cunhando uma cor oficial para a própria marca. Em 1960, década em que o estilista já era reconhecido no setor por vestir as mulheres mais elegantes do mundo – como Jacqueline Kennedy –, o vermelho se tornou protagonista dos seus vestidos.

As estações foram passando, mas a cor não, até que o termo “vermelho Valentino” se popularizou para cunhar a versão mais forte e fechada. Nos últimos tempos, sob a direção criativa de Pierpaolo Piccioli, o rosa também se tornou marcante na label.

Desfile de 1986 da marca Valentino. Na passarela, três mulheres posam para a foto. As duas primeiras usam roupas vermelhas e a última usa um look preto, porém segura nas mãos um casaco também vermelho
O vermelho virou uma cor-chave da Valentino graças à sua presença nas coleções. Acima, desfile de 1986

 

Mulher branca desfilando coleção da Valentino. Ela usa chápeu de palha marrom, um blazer vermelho com botões dourados e uma calça marrom de pregas. Além disso, está de óculos escuros na passarela e com as mãos na bolso da calça.
Versatilidade: Valentino soube usar a cor tanto em produções provocantes quanto em versões elegantes, como o blazer da coleção de 1990

 

Mulher branca e asiática de cabelo preto preso em coque baixo. Ela desfila em coleção da Valentino e usa calça, top e casaco vermelho.
A cor também marcou presença na última coleção de alta-costura da etiqueta
Xadrez britânico

A clássica estampa xadrez da Burberry foi usada pela primeira vez em 1920, como forro das capas de chuva da marca. Os clientes gostaram tanto da padronagem que, em 1960, o xadrez virou protagonista das criações.

Desde então, passou por muitas releituras e foi interpretado em acessórios, como o cachecol, e até nas roupas das coleções de ready-to-wear. A própria etiqueta define o xadrez como a prova da “atemporalidade do estilo britânico”.

Apresentação da coleção Scotch House pela Burberry em Paris, França, em 10 de outubro de 1967.
Códigos da fundação: o xadrez é usado pela Burberry desde o século passado

 

Modelo negra com cabelo longo e ondulado. Ela usa uma roupa preta e pochete e bolsa em estampa xadrez da marca Burberry.
A estampa começou a figurar em acessórios modernos e segue sendo constantemente atualizada

 

Dois homens negros em campanha da marca Burberry. Os dois usam o trenchcoat - ou sobretudo - da marca, em tom bege, e com cachecol xadrez.
O xadrez da Burberry virou sinônimo do estilo britânico
Sutiã da Madonna

O francês Jean Paul Gaultier não deixou apenas uma marca na moda e na música: ele soube como ressignificar uma peça que por séculos foi associada à repressão da mulher. O antigo espartilho foi reimaginado pelo estilista como um item que permitisse a expressão da própria sexualidade como potência.

O diferencial desse espartilho, porém, era o sutiã em formato de cone. A peça impactou o mundo graças à cantora Madonna, que transformou o item em um protagonista da turnê Blond Ambition, em 1991.

Cantora Madonna na Blonde Ambition Tour. O show foi na Holanda, em 1990. Ela está usando um espartilho de sutiã cônico Jean Paul Gaultier.
O sutiã de cone desenhado por Jean Paul Gaultier virou uma das peças mais icônicas do figurino de Madonna

 

Um visitante tira uma fotografia de um par de espartilhos em exibição, durante uma exibição de mídia de 'O mundo da moda de Jean Paul Gaultier: da calçada à passarela' - a primeira grande exposição dedicada ao célebre costureiro francês, incluindo figurinos para filmes e performances, incluindo o sutiã cônico e espartilhos que Madonna usou durante sua Blond Ambition World Tour de 1990, figurinos desenhados para Kylie Minogue, bem como peças criadas para os filmes de Pedro Almodovar, entre outros - na Barbican Art Gallery em Londres.
O item já rodou o mundo em exposições sobre a história da moda, de Madonna e de Jean Paul Gaultier

 

Jean Paul Gaultier e Madonna no tapete vermelho do MET Gala, em 2018
A amizade de milhões: Jean Paul Gaultier e Madonna no Met Gala, em 2018. A parceria fashion dos dois segue viva
Baguette

Uma das bolsas mais icônicas da italiana Fendi é uma criação recente: a Baguette foi desenhada em 1997 por Silvia Venturini Fendi. O acessório, conhecido como a primeira it bag, ficou popular por causa da série Sex and The City e da personagem principal, Carrie Bradshaw, interpretada pela atriz Sarah Jessica Parker. O sucesso levou outras marcas a criarem suas próprias Baguettes.

A atriz Sarah Jessica Parker participa da exibição da estreia da terceira temporada de "Sex and the City" em 1º de junho de 2000 no DGA Theatre em Los Angeles, Califórnia. Ela usa um vestido cinza de alcinha, o cabelo louro cacheado solto e uma bolsa colorida da Fendi, do modelo Baguette.
A Baguette da Fendi é considerada a primeira it bag da história pelo sucesso que atingiu nos anos 1990 por causa da série Sex and The City

 

A atriz Sarah Jessica Parker nas ruas de Nova York durante a gravação da série "And Just Like That...". Ela usa um vestido colorido gráfico, um kimono branco com glitter, uma bolsa Baguette roxa de lantejoulas da Fendi e salto alto dourado.
O acessório voltou para o figurino de Sarah Jessica Parker em And Just Like That…, revival da série original

 

Mulher branca com cabelo castanho liso preso em foto do street style. Ela está vestindo um top marrom da LeGer, um boné branco da LeGer, uma calça jeans bege da LeGer e uma bolsa Fendi Baguette vintage marrom com estampa da logo.
A Baguette da Fendi segue revisitada até hoje

A lista de produtos e cores icônicas na moda é extensa, e citamos apenas alguns exemplos mais clássicos. Labels modernas, como a Off-White, também já deixaram sua marca: vale destacar a etiqueta de lacre que faz sucesso nos tênis. Estar atenta aos signos que se repetem é a dica para ficar por dentro do que pode virar uma identidade dentro do setor.


Para outras dicas e novidades sobre o mundo da moda, siga
@colunailcamariaestevao no Instagram. Até a próxima!

Colaborou Carina Benedetti

Mais lidas
Últimas notícias