Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Burberry lança programa para doar sobras de tecido a estudantes de moda

Um dos objetivos da iniciativa, em parceria com o Conselho de Moda Britânico, é incentivar que outras marcas e universidades façam o mesmo

atualizado 14/12/2020 10:06

Look da grife BurberryBurberry/Divulgação

Escolhas ecologicamente corretas andam ao lado do impacto social e da economia circular no tripé que forma a sustentabilidade. A nova decisão da Burberry está aí para provar isso. Recentemente, a grife britânica anunciou que doará sobras de tecido para estudantes de moda carentes em todo o Reino Unido. O programa piloto, batizado de ReBurberry Fabric, é uma parceria com o Conselho de Moda Britânico (British Fashion Council, ou BFC, na sigla original) e tem apoio dos jornalistas de moda Charlie Porter e Sarah Mower.

Vem comigo saber mais detalhes!

@burberry/Giphy/Reprodução

O que esperar da iniciativa ReBurberry Fabric

No programa ReBurberry Fabric, a supervisão de toda a logística necessária para a doação dos tecidos será de responsabilidade do BFC. A instituição fará isso por meio do Institute of Positive Fashion e do Colleges Council, braços da organização. Junto com a marca britânica, o conselho está desenvolvendo um processo centralizado de logística. Com isso, o objetivo é tornar o acesso aos materiais ainda mais fácil.

Segundo o comunicado oficial da label, a ação vai ao encontro do “compromisso contínuo de apoiar comunidades criativas” promovido pela Burberry. Não pense que essa será uma brecha para os estudantes reproduzirem designs da grife: a ideia é que eles possam colocar suas próprias ideias em prática a partir dos tecidos doados. Os insumos não terão qualquer detalhe que os tornem identificáveis, como materiais da marca britânica. Ou seja, nada daquela estampa clássica em xadrez.

Esta é só a fase inicial de um projeto que o BFC pretende estender para todo o setor, sob o nome Student Fabric Initiative. Com o pontapé inicial da Burberry, a intenção é que essa ideia sirva de modelo para que outras marcas e universidades de moda possam trabalhar juntos pelo mesmo objetivo, dando acesso ao devido “suporte prático” para futuros talentos.

“Fornecer recursos para essas comunidades de forma sustentável permitirá que elas deem vida a sua criatividade e continuidade a seus programas com as ferramentas de que precisam”, destacou Pam Batty, vice-presidente de responsabilidade corporativa da Burberry. “Estamos ansiosos para ver como as doações podem impactar positivamente essas instituições acadêmicas e estudantes, e esperamos que este seja o início de uma iniciativa mais ampla da indústria para apoiar essas comunidades, agora e no futuro.”

Caroline Rush, CEO do BFC, explicou que uma das prioridades da organização é incentivar a indústria a andar pelo caminho da moda circular, o que inclui, também, apoiar a “excelência em design de moda”, como descreveu a diretora executiva. “O talento criativo está no coração da indústria, e temos orgulho de nossas faculdades líderes mundiais. Ser capaz de fornecer a esses alunos essas oportunidades é um privilégio”, compartilhou.

Look da grife Burberry
A Burberry deu mais um passo em prol da sustentabilidade e do apoio a jovens talentos

 

ReBurberry Fabric Project
Por meio do projeto ReBurberry Fabric, uma parceira com o Conselho de Moda Britânico, a grife doará tecidos para estudantes de moda carentes

 

ReBurberry Fabric Project
O BFC, por meio de seus braços institucionais Institute of Positive Fashion e Colleges Council, cuidará de toda a logística das doações

 

Look da grife Burberry
Com este piloto, a expectativa do BFC é implementar um programa para que outras marcas e universidades de moda possam fazer o mesmo

 

Look da grife Burberry
Os tecidos não terão nada que os tornem identificáveis, como materiais da Burberry, permitindo que os estudantes coloquem suas ideias originais em prática

 

Look da grife Burberry
Portanto, nada da tradicional estampa xadrez entre os materiais doados!

 

Iniciativa da Alexander McQueen

Em fevereiro deste ano, a grife Alexander McQueen fez uma iniciativa parecida e doou tecidos antigos para 14 universidades do Reino Unido. Sarah Burton, diretora criativa da label, destinou os materiais para que os estudantes possam utilizá-los ao longo dos cursos de graduação.

A iniciativa veio de um hábito antigo. A marca tem o costume de não descartar nada quando se trata de tecidos, desde a pesquisa até a produção das peças. Por isso, tudo é arquivado e armazenado, explicou Burton.

Vestido Alexander McQueen
Em fevereiro, a também britânica Alexander McQueen anunciou a doação de tecidos antigos para 14 instituições de ensino de moda no Reino Unido

 

Casaco Alexander McQueen
A marca, que tem direção criativa de Sarah Burton, não desperdiça nada do material em seus processos criativos

 

Vestido Alexander McQueen em desfile da marca
A matéria-prima que sobra é toda arquivada

 

Situação dos estudantes de moda no Reino Unido

Manter uma vida universitária no Reino Unido não é algo barato, como enfatiza artigo no site da revista i-D, assinado por Charlie Porter, apoiador da iniciativa da Burberry. Normalmente, só os custos de taxas, moradia e outras despesas de subsistência geram dívida de 50 mil libras para o bolso dos estudantes, segundo o texto.

Quando se trata dos alunos de cursos de moda, há, ainda, gastos com tecidos e outros materiais necessários para a prática das disciplinas. Sem falar que muitos deles mantêm empregos de meio período para ajudar nas despesas. Neste momento, como se sabe, vagas como essas estão escassas, e famílias passam por situações financeiras delicadas.

Que a iniciativa da Burberry possa incentivar outras marcas a serem uma mola propulsora de novos talentos. É extremamente significativo que empresas contribuam com os recursos necessários para o desenvolvimento acadêmico em moda.


Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias