Banco do Brasil pede mais tempo para fornecer quebra de sigilo à CPI

O BB quer prazo adicional de 30 dias para entregar informações bancárias de uma agência de propaganda que tem contrato com Planalto

atualizado 16/06/2021 15:31

Banco do Brasil (BB)MICHAEL MELO/METRÓPOLES

O Banco do Brasil pediu ao comando da CPI da Covid, do Senado, mais tempo para entregar a quebra de sigilo bancário da “Calya Y2 Propaganda”, uma das agências que tem contrato com o Palácio do Planalto.

Inicialmente, a CPI da Covid deu um prazo de cinco dias para o BB fornecer o sigilo da empresa. O banco, porém, pediu tempo adicional de 30 dias para entregar o material aos senadores.

A instituição financeira alega que o prazo de cinco dias é “insuficiente”, em razão da “complexidade” de elaborar o arquivo com as informações bancárias da agência no formato exigido pelo Banco Central.

A CPI aprovou a quebra de sigilo da Calya e de outras agências que têm contrato com o governo federal, para apurar o possível financiamento de disseminação de fake news sobre temas relacionados à Covid-19.

Últimas notícias