A estratégia de senadores para evitar que a CPI entre em recesso

Como a coluna noticiou, o presidente do Senado já avisou a integrantes da comissão que não suspenderá o recesso de julho, como em 2020

atualizado 19/06/2021 13:57

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Senadores do grupo majoritário da CPI da Covid já discutem, nos bastidores, estratégias para evitar que a comissão tenha de paralisar os trabalhos durante o recesso parlamentar de julho.

Como a coluna noticiou, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), já avisou a integrantes do colegiado que pretende manter o recesso, previsto para ocorrer de 18 a 31 de julho.

Para evitar a paralisação da CPI nesse período, senadores do G7 se articulam para impedir a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022 pelo Congresso Nacional.

Isso porque, segundo o artigo 57º da Constituição Federal, Câmara e Senado só pode entrar oficialmente em recesso, caso a LDO do ano seguinte seja aprovada por deputados federais e senadores.

Em anos anteriores, o Congresso já entrou em recesso mesmo sem aprovar a LDO. Nesse caso, porém, a paralisação se dá de maneira informal e é chamada de “recesso branco”.

Últimas notícias