Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Uma carta que Moraes tem na manga para lidar com militares

Moraes, que assumirá o comando do TSE, tem ao seu lado no tribunal uma pessoa que pode ser fundamental na articulação com as Forças Armadas

atualizado 08/08/2022 14:37

Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal - MetrópolesDaniel Ferreira/Metrópoles

Alexandre de Moraes, que assume nos próximos dias o comando do Tribunal Superior Eleitoral, tem ao seu lado, na Corte, uma pessoa que pode ser fundamental na articulação com as Forças Armadas, para apaziguar as relações entre o Ministério da Defesa e o tribunal: José Levi, o ex-advogado-geral da União de Bolsonaro.

Levi cultiva há anos boa relação com a caserna, bem antes de ocupar o mais militarizado dos governos de 1985 para cá.

Atualmente, Levi é chefe de gabinete de Moraes e, a partir da posse do ministro na Presidência do TSE, se tornará secretário-geral, o mais importante cargo administrativo da Corte.

Discreto e formal, Levi é querido no meio militar, e sua presença tem sido citada por generais como um sinal de que os ventos com Moraes no TSE deverão soprar de maneira mais leve do que com Fachin.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna