Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

PM do Rio estima que pacificação no Jacarezinho levará três meses

Forças de segurança pública do estado tomaram as ruas da comunidade, na manhã de quarta-feira (19/1), para começar o "Cidade Integrada"

atualizado 20/01/2022 11:50

Wilton Junior/Estadão

A Polícia Militar do Rio de Janeiro estima que a pacificação na favela do Jacarezinho, onde ocorreu a maior chacina da história do Rio de Janeiro, levará três meses. As forças de segurança pública tomaram as ruas da comunidade, na manhã de quarta-feira (19/1), para começar o novo projeto de ocupação do governo estadual, o Cidade Integrada.

Em um ofício interno, a Secretaria Estadual de Polícia Militar informa que toda a ocupação e pacificação terá duração de três meses, e que o prazo poderá ser ampliado. Somente depois desse processo, o estado entrará com os prometidos investimentos sociais.

A PM pediu a contratação emergencial de um sistema de videomonitoramento, que será instalado no entorno do Jacarezinho. O serviço durará de três a seis meses.

O Cidade Integrada ocupará seis favelas do Rio de Janeiro. Além de Jacarezinho, estão na lista: Muzema, Cesarão, Maré, Rio das Pedras e Cantagalo. O projeto promete levar, além das forças de segurança do estado, iniciativas sociais para dentro de comunidades.

À coluna, em novembro de 2021, o secretário da Polícia Civil, Allan Turnowski, admitiu que as ocupações de alguns territórios, sem especificar quais, seriam custosas e trabalhosas, devido à “resistência comunitária” aos agentes de segurança pública. “É uma luta do bem contra o mal”, afirmou Turnowski.

O programa, segundo o governador Cláudio Castro, era para ter sido implementado no segundo semestre de 2021, mas começou em 2022, ano eleitoral.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna