Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

MP junto ao TCU cobra que consultoria informe salário de Sergio Moro

Salário de Sergio Moro na Alvarez & Marsal ainda é informação desconhecida; TCU apura se Moro cometeu irregularidades

atualizado 25/01/2022 15:28

O candidato à presidência Sergio Moro, deixa o Senado Federal após reunião com parlamentares do Podemos na liderança partido, nesta terça-feirIgo Estrela/Metrópoles

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) cobrou que a Alvarez & Marsal, consultoria que empregou Sergio Moro, divulgue quanto pagou de salário ao ex-juiz. O documento foi enviado à firma pelo subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado. Se a consultoria encaminhar os dados ao tribunal, as informações serão públicas porque o relator do caso, ministro Bruno Dantas, retirou o sigilo do processo.

O TCU apura se Moro cometeu irregularidades no período de um ano em que trabalhou para a Alvarez & Marsal, em 2020 e 2021. A consultoria recebeu 78% de seus honorários de empresas que foram alvo da Lava Jato, operação que Moro comandava quando era juiz.

Dos R$ 83,5 milhões auferidos pela Alvarez em processos de recuperação judicial e falência, R$ 65,1 milhões vieram de firmas investigadas na operação. Moro alega que atuou na área de disputas e investigações da Alvarez, um braço distinto da consultoria, com outro CNPJ e sem relação com o de recuperação judicial.

Apesar de ter repassado ao tribunal quanto recebeu de empresas, a Alvarez ainda não informou quanto pagou de salário a Sergio Moro. Moro também não divulgou a informação.

No Congresso, o PT e integrantes do Centrão avaliam pedir uma CPI na Câmara para investigar o trabalho de Moro para a Alvarez. Do outro lado da contenda, o senador Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, acionou a PGR contra o ministro Bruno Dantas e disse que Moro é vítima de vingança de “representantes do sistema corrupto”.

0

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna