Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Natália Portinari

MP espera que derrota de Bolsonaro tire pressão de inquérito de Carlos

Antes da eleição, promotores já davam como certa a paralisação das investigações até o resultado do pleito

atualizado 04/12/2022 23:13

Vereador do Rio Carlos Bolsonaro acompanhou o pai, Jair Bolsonaro, na viagem à Rússia. Eles estão sentado numa mesa com outras pessoas, ambos de terno, sem máscara e com expressão séria - Metrópoles Alan Santos/Presidência da República

O Ministério Público do Rio de Janeiro espera que a derrota de Jair Bolsonaro nas eleições tire a pressão do órgão para avançar nas investigações do suposto crime de peculato — rachadinha — no gabinete de Carlos Bolsonaro.

Antes da eleição, promotores já davam como certa a paralisação das investigações até o resultado do pleito.

No MP, a avaliação era que prosseguir com o caso em período eleitoral seria travar uma briga com o governo federal. Havia também o medo de parecer perseguição política contra Bolsonaro.

Uma semana antes do primeiro turno da eleição, o MPRJ enviou uma série de perguntas para a perícia que está analisando os dados de 26 servidores do gabinete de Carlos. O processo serve para atestar se houve crime no caminho do dinheiro ou não.

Diante da resposta, que só deve ocorrer em março de 2024, o MPRJ oferecerá denúncia contra o vereador ou arquivará o caso.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna