Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Governo corta R$ 40 milhões do mais bolsonarista dos estados em 2018

No primeiro turno de 2018, Jair Bolsonaro teve o melhor desempenho do país em Santa Catarina

atualizado 07/12/2021 13:51

Jair BolsonaroDivulgação/Palácio do Planalto

Santa Catarina, o estado onde Jair Bolsonaro ganhou com mais folga no primeiro turno de 2018, teve um corte de R$ 40 milhões no repasse de verbas do governo federal. Na última semana, o governo Bolsonaro tirou esses recursos do orçamento de 2021.

O dinheiro serviria para a duplicação de duas rodovias federais no estado, a BR-470 e da BR-163.

No primeiro turno de 2018, Santa Catarina foi o estado onde Bolsonaro teve melhor desempenho, com 65,8% dos votos totais. No segundo turno, entre Bolsonaro e Fernando Haddad, o estado foi o segundo mais bolsonarista: 75,92%, perdendo apenas para o Acre, que registrou 77,22% de apoio ao então candidato do PSL.

Além do corte de verbas para as rodovias, moradores de Santa Catarina têm tido dificuldades com o alto preço do botijão de gás, que passou dos R$ 100. Quem mora em região de fronteira está tendo de cruzar para os países vizinhos, como Argentina, para comprar o combustível.

(Atualização às 22h40 do dia 6 de dezembro de 2021: Em nota, o Ministério da Infraestrutura informou à coluna que “a disponibilização de recursos orçamentários para a infraestrutura rodoviária de Santa Catarina tem sido priorizada pelo Governo Federal” e que mais de R$ 120 milhões foram repassados ao Departamento de Infraestrutura e Transporte do estado.

A pasta informou que o orçamento é o suficiente para garantir o andamento das obras e que o corte de R$ 40 milhões mencionado pela reportagem se trata de uma “atividade corriqueira” com objetivo de otimizar a alocação de recursos.

“A reposição dos recursos cancelados ocorrerá assim que houver nova suplementação para o DNIT. No mesmo remanejamento apresentado, inclusive, foram alocados novos valores para a manutenção da malha catarinense”, informou o Ministério.)

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna