Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Natália Portinari

Deputado do PT diz ter usado R$ 1,3 mi do orçamento secreto por engano

Helder Salomão, do PT do Espírito Santo, disse que destinou emendas do orçamento secreto sem saber qual era a origem do dinheiro

atualizado 08/12/2022 9:19

O deputado Helder Salomão, do PT do Espírito Santo, durante audiência na Câmara Gabriel Paiva/PT na Câmara

O deputado Helder Salomão, do PT do Espírito Santo, destinou R$ 1,3 milhão em emendas do orçamento secreto. Contrário à prática, ele afirmou que assinou os repasses de verba sem saber qual era a origem do dinheiro.

Salomão enviou quatro emendas do orçamento secreto para o Fundo Nacional de Saúde. Foram R$ 500 mil para o Hospital Evangélico de Vila Velha, R$ 400 mil para o Hospital Rio Doce de Linhares, R$ 200 mil para a Prefeitura de Marilândia e R$ 200 mil para a Prefeitura de Divino São Lourenço.

O petista atribuiu a culpa à senadora Rose de Freitas, do MDB do Espírito Santo. Salomão afirmou que Rose, então presidente da Comissão Mista de Orçamento, fez uma reunião com a bancada do estado para solicitar que cada parlamentar indicasse R$ 3 milhões em emendas.

O encontro ocorreu em abril deste ano, segundo o deputado. Ele disse que a senadora não mencionou em nenhum momento que os recursos sairiam do orçamento secreto.

Salomão afirmou que pediu o cancelamento das emendas de relator, mas que os quatro repasses não puderam ser revertidos porque estavam cadastrados na plataforma do Fundo Nacional de Saúde.

Em outubro, após o primeiro turno da eleição, Salomão escreveu no Twitter que o orçamento secreto era igual a “Bolsonaro tirando dinheiro da saúde e da educação para comprar votos para sua reeleição”. O petista disse à coluna que continua defendendo o fim das emendas de relator.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna