Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Coaf diz que integrante de produtora bolsonarista alvo da CPI teve auxílio emergencial; ele nega

Órgão diz que Tiago Menna recebeu R$ 4,2 mil com o benefício

atualizado 21/08/2021 20:19

Reprodução

O empresário Tiago Menna Barreto Silveira, integrante da produtora bolsonarista Brasil Paralelo, recebeu R$ 4,2 mil em auxílio emergencial, pagos “aparentemente de forma irregular no ano de 2020”, segundo relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O documento foi enviado à CPI da Covid-19 e obtido pela coluna. Menna nega que tenha recebido o auxílio.

A produtora é acusada pela CPI de disseminar fake news sobre a pandemia. Entre 2 de janeiro de 2018 e 6 de agosto de 2021, a Brasil Paralelo enviou R$ 166 mil para as contas de Menna, que usou os recursos para pagar boletos destinados à empresa Nova Carlos Gomes Empreendimentos Imobiliários SPE.

Durante o período analisado, o Brasil Paralelo movimentou R$ 3,4 milhões. No relatório, o Coaf informa que não se pode “desconsiderar os saques realizados em espécie, dificultando a identificação do real destino dos recursos” da produtora. Foram retirados R$ 19,6 mil em dinheiro vivo durante o período analisado.

Menna recebeu R$ 4,2 mil de auxílio emergencial de abril a dezembro de 2020.Uma das exigências para obter a ajuda do governo federal na pandemia é ter uma renda familiar mensal de até R$ 3,3 mil.

À coluna, Tiago Menna Silveira afirmou que foi sócio da Brasil Paralelo até 2018, quando vendeu suas quotas e saiu da empresa. Disse que todos os valores que recebeu da empresa desde então são privados e relacionados exclusivamente à compra e venda das quotas. Também negou ter recebido auxílio emergencial e manifestou “profunda irresignação e inconformidade com o fato de supostas informações bancárias” sigilosas e confidenciais estarem sendo “objeto de perseguição política”.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna