Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Bruno Araújo descarta voto com cédula de papel nas prévias do PSDB

Presidente do PSDB disse que a desenvolvedora do aplicativo de votação apresentou propostas para solucionar as falhas apontadas pela Kryptus

atualizado 05/11/2021 14:59

George Gianni/PSDB

Diante das dúvidas lançadas sobre o aplicativo de votação do PSDB, o presidente nacional da sigla, Bruno Araújo, disse que não aceitará propostas para restabelecer o voto impresso nas prévias do partido. “A única possibilidade descartada é a volta a algo mais vulnerável e grave, que é o voto na cédula eleitoral”, afirmou.

Araújo se pronunciou após uma análise da Kryptus, encomendada pelo PSDB, apontar que o aplicativo desenvolvido para a votação nas prévias possui brechas de segurança que permitem uma fraude em massa na escolha do candidato tucano à Presidência. Os representantes de Arthur Virgílio, Eduardo Leite e João Doria se reunirão nesta sexta-feira (5/11) para discutir se o uso da plataforma será mantido.

“O uso ou não do dispositivo será uma decisão absolutamente conciliada e combinada entre a direção do partido e os candidatos”, disse Araújo.

O aplicativo custou R$ 1,25 milhão ao PSDB. Segundo o o partido, o relatório da Kryptus é “preliminar” e foi apresentado à Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS), desenvolvedora da plataforma, na quarta-feira (3/11). Os técnicos da FAURGS já enviaram à sigla propostas para solucionar as falhas diagnosticadas.

A Kryptus informou ao PSDB que conseguiu burlar a autenticação feita por um técnico da FAURGS e que o sistema não garante a segurança das contas dos cadastrados. A consultoria afirma ser possível invadir perfis de cadastrados usando fotos para enganar o sistema de reconhecimento facial.

Indícios apontam também para a possibilidade de adulterar o resultado dos votos computados no aplicativo, embora a análise completa do sistema de votação esteja pendente. A FAURGS não entregou todos os mecanismos do app, de acordo com a consultoria.

Outra falha estaria na acessibilidade do aplicativo, que, em celulares Android, só funcionaria na versão 8.1 ou superior. Dados da Kryptus apontam que 23,5% dos eleitores não usam esse sistema operacional de celular.

A Kryptus deve entregar um relatório final ao PSDB no dia 10. O partido também aguarda uma análise de segurança que foi encomendada à USP.

Questionada sobre o assunto, a FAURGS disse que “os itens apontados na análise não colocam em risco a segurança do processo de votação por meio do aplicativo”. A FAURGS declarou que “os sistemas de verificação de segurança e proteção de dados seguem padrões internacionais de tecnologia utilizados atualmente neste tipo de processo digital”.

Segundo a FAURGS, “os ajustes necessários são de ordem técnica e estão sendo feitos, com testagem e retestagem ocorrendo dentro do cronograma previsto”. Por fim, a FAURGS, afirma que “o sistema estará apto para ser usado com total segurança na data marcada para a realização das prévias”.

A campanha de Eduardo Leite informou que o governador gaúcho “confia plenamente no trabalho da comissão das prévias e nas decisões da executiva do PSDB”.

A campanha de João Doria manifestou que “aguarda o encaminhamento do parecer da Kryptus”, mas que “continua trabalhando com o máximo de esforço para cadastrar todos os filiados e aptos a votar”.

“Trabalhamos com as regras estabelecidas pela executiva nacional e aguardaremos uma posição formal da Kryptus. Desejamos que o partido consiga viabilizar, de forma pioneira, a ampliação da participação da militância na escolha de seus representantes de forma digital”, disseram os auxiliares de Doria.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna