Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Naomi Matsui

Advogada foi anfitriã de almoço entre Dominguetti, reverendo e militar

Almoço foi citado na CPI na última terça-feira; Advogada tem relação próxima com reverendo Amilton Gomes

atualizado 12/08/2021 16:31

Foi uma advogada a anfitriã do almoço de 12 de março em Brasília entre o cabo Luiz Dominguetti, representante da Davati que denunciou propina por vacinas, o reverendo Amilton Gomes e o tenente-coronel Helcio Almeida. Os três alvos da CPI da Covid se encontraram na casa da advogada Maria Helena Prill logo após uma reunião do grupo no Ministério da Saúde que tratou de interesses da Davati.

Próxima ao reverendo Amilton, Maria Helena, de 65 anos, mora em uma mansão no Lago Sul, área nobre da capital federal. A coluna foi ao imóvel nessa quarta-feira (11/8) e questionou a advogada sobre o almoço. Quando foi informada do encontro com os alvos da CPI, ela encerrou a conversa bruscamente. Perguntada novamente, disse apenas: “Eu tenho escritório aqui, atendo todo mundo”.

O reverendo Amilton de Paula é ouvido na CPI da Covid

O almoço foi citado na CPI na última terça-feira (10/8), no depoimento do tenente-coronel Helcio Almeida. Questionado por Renan Calheiros, relator da comissão, se já havia compartilhado algum jantar ou intimidade com o reverendo Amilton, Almeida negou.

Em seguida, contudo, a CPI exibiu a foto do encontro. “Não foi jantar, foi almoço”, respondeu Almeida, explicando que o convite havia sido feito pelo reverendo após a reunião no ministério para tratar de vacinas. A outras dúvidas dos senadores, o militar ficou calado, amparado por uma decisão do STF.

Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna