Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Uma tarde no protesto em frente ao QG do Exército: Silveira discursa e comércio faz a festa

Manifestantes que são contra a eleição de Lula para presidente estão acampados em frente ao QG do Exército, em Brasília, há 14 dias

atualizado 13/11/2022 22:01

No décimo quarto dia de manifestação em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília, o comércio ambulante fez a festa com camisetas falsificadas da Seleção Brasileira, comidas variadas e até Mickey e Minnie patriotas.

As camisetas do Brasil são as campeãs de venda. O valor varia de R$ 40 a R$ 120. O preço fica mais alto onde há mais concentração de pessoas, especialmente nas proximidades dos monumentos da Praça dos Cristais. A Minnie e o Mickey patriotas saem por R$ 20 cada um.

Poucos itens fazem referência à Bolsonaro. Um imã com o rosto do presidente custa R$ 15. Mas não há muitos exemplares à venda.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Cidadãos que não concordam com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criaram um verdadeiro acampamento no Setor Militar Urbano, sem qualquer sinal de que irão sair em breve.

Eles pedem intervenção federal e seguram cartazes em que clamam “socorro” às Forças Armadas para impedir que Lula suba à rampa e tome posse como presidente sucessor de Jair Bolsonaro (PL).

Os comerciantes voltaram ao local, neste domingo (12/11), um dia após a Secretaria de Segurança Pública realizar operação no local para reiterada das vendas ilegais na região.

A Praça dos Cristais, que fica do outro lado da rua do QG, abriga diversas barracas e banheiros químicos que são esvaziados diariamente com ajuda de caminhão limpa fossa. No meio da tarde, o cheiro próximo dos sanitários é forte.

Além das moradias improvisadas, a região tem tendas com cozinha, que distribui alimentação gratuita, com refeição no almoço e janta, além de fruta ao longo da tarde. Água também é liberada durante todo o dia.

Na frente de uma das tendas da organização do ato que distribui os alimentos, um pedaço de papelão pequeno pede doação e um galão que antes tinha água agora virou depósito de moedas doadas para ajudar a bancar o movimento.

Daniel Silveira

Em meio ao comércio que segue perseverante, uma barraca com telão grande transmitia um podcast ao vivo, na tarde deste domingo (13/11). O convidado especial era o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ).

Na participação do podcast, Daniel Silveira — que já foi preso por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF) e ainda cumpre medidas alternativas — encorajou os manifestantes a continuarem na luta pela “liberdade” ao citar que até os judeus ficaram dias no deserto após sair do Egito em direção à Terra Prometida.

Veja vídeo em que Daniel fala aos manifestantes:

Silveira deixou um mistério no ar após dizer que teve encontro com pessoas “importantes da República”, dando a entender que a manifestação contra a vitória de Lula tem apoio de figuras relevantes. Por fim, o parlamentar disse que Bolsonaro está satisfeito com o movimento.

O que diz o GDF

O DF Legal informou que a área é militar e as autorizações devem partir do Exército. Os ambulantes retirados no sábado (11/11) não tinham licença e, se forem flagrados novamente, poderão ser multados e os itens apreendidos, de acordo com o órgão.

Já a Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF) disse que “as operações no local serão constantes”. “Antes mesmo de sábado já houve, e elas continuarão”, afirmou.

Mais lidas
Últimas notícias