Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Pacientes reclamam da falta de parafusos para cirurgias ortopédicas no DF

Espera para realização de procedimentos cirúrgicos ortopédicos demora semanas, segundo pacientes. MPC recebeu denúncia sobre o caso

atualizado 05/01/2021 19:34

Andre Borges/Especial para o Metrópoles

A demora para realização de cirurgia ortopédica aflige pacientes da rede pública do Distrito Federal. O problema relatado é o mesmo: faltam parafusos necessários para os procedimentos.

Tadna Taiane da Silva Souza, 29 anos, e Rebeca de Souza Vale, 19 anos, por exemplo, estão no Hospital Regional de Taguatinga (HRT) sem saber quando vão ser operadas.

A dona de casa Tadna caiu em casa e quebrou o pé em 12 de dezembro de 2020, segundo contou a mãe dela, Mariana da Silva Souza, 48 anos. A mulher deu entrada no HRT no mesmo dia e aguarda a cirurgia desde então.

“Minha filha está no hospital há 26 dias esperando cirurgia no pé, que depende de um parafuso, mas informam para a gente que esse material está em falta em toda a rede pública”, disse Mariana. Tadna tem dois filhos, de 6 e 7 anos. “As crianças estão sofrendo, querendo ver a mãe e não entendem a situação.”

A estudante Rebeca contou que está há 11 dias internada. Ela disse que quebrou a fíbula (osso da perna) na calçada em frente da casa em que mora e, para se recuperar, precisa colocar parafuso. “A ortopedia está lotada e o risco de pegar Covid é grande, porque tem casos no hospital. Mas eles continuam dizendo que estão sem parafusos e pinos. Tem gente com mais de um mês de espera”, destacou.

O Ministério Público de Contas do Distrito Federal (MPC-DF) recebeu denúncia sobre ausência de parafusos para cirurgias. A reclamação foi registrada na Ouvidoria do MPC-DF pelo senador Izalci Lucas (PSDB-DF). “Mandei um pessoal meu ir checar e, na prática, não está faltando só no HRT. A saúde está um caos”, disse à coluna.

A demora na realização da cirurgia ortopédica no HRT não é de hoje. Em reportagem publicada em setembro de 2020, o Metrópoles mostrou que 81 pessoas estavam na fila para realização do procedimento. À época, a direção da unidade de saúde justificou que faltavam perfuradores e anestesistas. Em outubro, o hospital anunciou um mutirão.

O que diz o GDF

A Secretaria de Saúde do DF afirmou que já assinou contrato para adquirir materiais da área de ortopedia e o empenho para a compra será feito nos próximos dias.

“A pasta esclarece também que houve um aumento significativo na demanda dos casos de ortopedia, com atendimento a pacientes inclusive da região do Entorno. Ao mesmo tempo, no período de pandemia, houve dificuldades para aquisição de equipamentos, insumos, produtos e materiais no mercado nacional e internacional”, assinalou.

A secretaria disse que a fila para os casos ortopédicos é dinâmica: “Muda constantemente, em razão da entrada de pacientes em estado grave que têm preferência no atendimento”.

A diretoria do HRT pontuou que, mesmo diante da pandemia, o hospital efetivou 1.053 cirurgias da especialidade, de janeiro a outubro de 2020. “Além disso, realizou uma força-tarefa, no início do mês de novembro de 2020, beneficiando 44 pacientes que aguardavam na fila”, acrescentou.

Um novo mutirão está sendo preparado para este mês, segundo a chefia da unidade hospitalar.

Últimas notícias