Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

MPDFT participou da operação da PF que investiga deputado Paulinho da Força

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão nessa terça-feira. No DF, o gabinete e o apartamento funcional do parlamentar foram alvos

atualizado 15/07/2020 15:22

Operação Lava Jato. PF cumpre mandado de busca e apreensão no gabinete e no apartamento funcional de Paulinho da ForçaRafaela Felicciano/Metrópoles

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) participou da Operação Dark Side, da Polícia Federal (PF), que teve como um dos alvos o deputado federal Paulinho da Força (Solidariedade-SP).

O promotor de Justiça eleitoral do MPDFT Clayton Germano auxiliou a Promotoria de Justiça Eleitoral de São Paulo no cumprimento de sete mandados de busca e apreensão em SP e em Brasília, nessa terça-feira (14/7).

A ação, um desdobramento da Operação Lava Jato, também resultou no bloqueio judicial de contas bancárias e imóveis dos investigados.

Na capital do país, a busca ocorreu no gabinete de Paulinho da Força na Câmara dos Deputados e no apartamento funcional do parlamentar.

0

 

As investigações indicam que o deputado federal recebeu, nas campanhas para a Câmara e para a Prefeitura de São Paulo, em 2010 e 2012, R$ 1,7 milhão em espécie. O dinheiro, não declarado à Justiça Eleitoral, teria sido repassado por doleiros que prestavam serviço para o Grupo J&F e por contratos simulados de serviços de advocacia.

Os investigadores também afirmam que há indícios de lavagem de dinheiro.

Em nota divulgada nas redes oficiais, Paulinho da Força lamentou o ocorrido. “Já são passados 10 anos desde os fatos apontados, sendo que suas contas das eleições de 2010 a 2012 foram aprovadas regularmente pela Justiça Eleitoral”, disse.

O parlamentar afirmou confiar que a “apuração chegará à conclusão de que os fatos trazidos não possuem nenhum fundamento”.

Últimas notícias