Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Justiça marca audiência sobre volta às aulas nas escolas particulares do DF

Retomada das atividades presenciais está suspensa, por decisão judicial, desde 6 de agosto. Conciliação foi determinada pelo TST

atualizado 17/08/2020 21:21

retorno aulas particulares durante pandemia escola Arvense brasiliaRafaela Felicciano/Metrópoles

O Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT) marcou para a próxima quinta-feira (20/8) audiência de conciliação para discutir retomada das aulas presenciais na rede de ensino particular do Distrito Federal. O agendamento atende determinação do Tribunal Superior do Trabalho (TST)

Em resposta a recurso apresentado pelo Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinepe), o corregedor-geral da Justiça do Trabalho, Aloysio Corrêa da Veiga, determinou a realização de audiência sobre o tema.

Na decisão, o corregedor-geral destaca a disputa judicial “apresenta efeitos de grande repercussão social, já que, no caso, está sendo analisada a questão da suspensão das atividades escolares da rede particular de ensino, com impacto em todo o Distrito Federal, e a possibilidade de retorno ao trabalho presencial dos seus empregados em meio à pandemia de coronavírus, em que se pondera o risco à saúde dos trabalhadores e de seus familiares de um lado e a continuidade da atividade essencial, de outro.”

O magistrado afirma, ainda, que apesar de uma primeira tentativa de conciliação ter fracassado, “o diálogo deve ser privilegiado à luz do mandado de segurança interposto e os aspectos coletivos da matéria”. Em 4 de agosto, após audiência de conciliação, o TRT-10 propôs a retomada gradual e escalonada das atividades presenciais. O calendário sugerido, no entanto, não foi acatado.

Confira a decisão:

Decisao TST — aulas escolas particulares by Metropoles on Scribd

Autoriza e proíbe

O GDF suspendeu as aulas nas escolas públicas e particulares no dia 12 de março por causa da pandemia do novo coronavírus.

Quatro meses depois, o governo local autorizou o retorno das atividades presenciais nas unidades de ensino da rede privada a partir do dia 27 de julho. O MPT entrou na Justiça para barrar o regresso e obteve decisão favorável do juiz Gustavo Carvalho Chehab, que impediu o retorno por 10 dias.

No dia 4 de agosto, a juíza Adriana Zveiter, da 6ª Vara do Trabalho de Brasília, derrubou a liminar de Chehab e autorizou a reabertura imediata – decisão revogada dois dias depois pelo desembargador Pedro Luís Vicentin Foltran.

A suspensão foi mantida em nova decisão, em 12 de agosto. A medida judicial tem validade até que seja proferida sentença na ação civil pública que tramita na 6ª Vara.

 

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Mais lidas
Últimas notícias