Este é um espaço para celebrar a vida e as pessoas. Viaje comigo nesta aventura!

Nutrição: saiba o que são e como identificar produtos clean label

A nutricionista Thaiz Brito dá dicas de como não cair na lábia de marcas que se dizem “limpas” mas não são

atualizado 18/05/2022 17:35

Mulher jovem fazendo compras em mercadoGetty Images

Você já conferiu, na Coluna Claudia Meireles, um guia do ramo do skincare sobre a beleza limpa (ou clean beauty, em inglês). Trata-se de marcas e produtos que levam em consideração o bem-estar das pessoas e do planeta ao serem desenvolvidos, fabricados ou vendidos. Ou, ainda, itens comercializados sem ingredientes artificiais prejudiciais.

A esfera da nutrição segue o mesmo caminho. E tem como alcunha o termo clean label (ou rótulo limpo, em inglês). No entanto, assim como acontece no setor da beleza, ainda há muita desinformação a respeito do assunto, o que deixa as pessoas cada vez mais confusas.

A fim de esclarecer as dúvidas que envolvem o conceito rótulo limpo, a coluna conversou com a nutricionista Thaiz Brito, do Metrópoles. Ela explica tim-tim por tim-tim e dá dicas de como não cair na lábia de marcas que se dizem “limpas” mas não são.

Nutricionista Thaiz Brito
Nutricionista Thaiz Brito

Confira:

A começar, segundo a especialista, clean label significa que o produto em questão possui apenas ingredientes que o consumidor leigo consiga identificar, ou seja, que seria encontrado facilmente em sua cozinha. “Por exemplo: ingredientes naturais sem aditivos químicos artificiais que aparecem nos rótulos com nomes estranhos”, diz ela.

Para Thaiz, com o aumento da informação, naturalmente o consumidor passou a ter maior consciência em relação às suas escolhas. “O público ficou mais exigente sobre o que está ingerindo e levando para as prateleiras de casa, então as marcas que se intitulam como rótulo limpo estão se sucedendo muito bem para o público que preza por saúde e qualidade nutricional”, fala.

Mulher jovem cortando vegetais em cozinha
Para Thaiz, com o aumento da informação, naturalmente o consumidor passou a ter maior consciência em relação às suas escolhas

“Por se tratarem, muitas vezes, de um item que precisa de uma embalagem mais tecnológica para preservar o produto — já que não contém conservantes —, ou de algum critério a mais para zelar pela qualidade nutricional, os produtos clean labels podem ter um custo mais elevado em relação aos industrializados tradicionais. Isso dificulta o amplo acesso, para todas as classes”, faz a ressalva.

Verdade oculta

Um relevante número de pessoas ainda se engana ao comprar mantimentos pois alguns ingredientes listados nos rótulos estão “mascarados”, ou seja, aparece, com um nome diferente. É o caso do açúcar, que pode vir como maltose, maltodextrina, oligossacarídeos, sacarose, xarope glucose-frutose, xarope de milho, frutose, glicose, glucose, entre outras terminologias.

Mãos segurando produto em frente à prateleira de mercado
Um relevante número de pessoas ainda se engana ao comprar mantimentos pois alguns ingredientes listados nos rótulos estão “mascarados”

Como a nutricionista afirma, nós só aprendemos a ler rótulos lendo rótulos. “Infelizmente, essas rotulagens foram pensadas para enganar o consumidor leigo, apresentando outras nomenclaturas para designar o açúcar presente. Quando você se vê diante de um produto com uma extensa lista de ingredientes, já tenha um maior critério de análise. Pois, normalmente, esses produtos contêm muitos aditivos químicos prejudiciais à saúde”, dá a dica.

Outro truque, compartilhado pela profissional, é desconfiar quando constar muitos nomes estranhos, os quais a pessoa não consiga identificar naturalmente. “Sempre que aparecem termos como açúcar invertido, dextrina, xarope de glicose, frutose, glucose — se trata de açúcar”, diz ela. Thaiz informa que esses aditivos químicos transformam as características naturais do alimento, tornando-o, até mesmo, prejudicial à saúde, principalmente quando ingerido em excesso.

Mulher lendo rótulo de produto
Desconfie quando os rótulos vierem com nomes muito estranhos

Ainda, a especialista comenta que existem aplicativos disponíveis em dispositivos androids e IOS, como o Desrotulando, nos quais o consumidor bipa o rótulo do produto e o app mostra uma nota cedida por nutricionistas sobre a qualidade nutricional.

“Devemos priorizar esse tipo de alimento porque, embora eles possam ser processados, ou seja, produzidos de forma industrial, eles estarão mais próximo ao alimento in natura, já que conterão substâncias extraídas de frutas, ervas, vegetais e especiarias, tornando eles mais nutritivos”

Thaiz Brito
Regulamentação

De acordo com a expert, lamentavelmente, ainda existem muitas brechas na legislação brasileira que permitem que a indústria falte com transparência ao público consumidor. “Um exemplo existente é sobre o teor de gordura trans nos produtos. Para se ter uma ideia, um produto pode ser considerado como zero gordura trans ainda que contenha em uma porção estabelecida. Já que a lei determina uma tolerância, a indústria pode manipular o tamanho da porção para que o valor de gordura trans seja considerado zero, tendo, na verdade, uma boa quantidade da substância presente”, ensina.

Thaiz menciona as marcas brasileiras Essential Nutrition, Nutrify e True Source, que, segundo ela, produzem itens que são, realmente, clean labels.

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Mais lidas
Últimas notícias