Além do sexo: use técnicas do tantra para enlouquecer sua mulher

Em livro recém-lançado, terapeuta ensina homens a usarem bases do tantra no cotidiano, e não apenas debaixo dos lençóis

trumzz, Istock

atualizado 30/08/2019 21:18

Conhecido por culminar em orgasmos inesquecíveis, o tantra vai além do sexo. Quem assegura é a terapeuta Deva Dasi Abigail, especializada na filosofia milenar e que acaba de lançar um livro sobre o assunto, batizado de Desvendando o Mapa da Mina (Editora Appris).

De acordo com a especialista, ele poderia ser a salvação de muitos relacionamentos se os homens soubessem como extrair ensinamentos básicos e os utilizassem no dia a dia. “A mulher não é só uma vulva”, assegura. O Metrópoles conversou com a profissional e revela os segredos por trás do tantra – que vai muito além da exploração de órgãos sexuais.

Respiração é tudo

Antes de pensar em gozadas homéricas, foque no básico. Segundo a terapeuta, algo elementar à prática de tantra é a respiração. “A primeira coisa que fazemos ao sair da barriga de nossas mães é respirar. Quando trabalhamos isso nas sessões, de certa forma, começamos uma nova vida”, compara. O método é simples: basta fazer a respiração circular, aquela sem pausa entre inspiração e expiração. Comece com 5 minutos e vá aumentando gradativamente.

Isso garantirá o autoconhecimento necessário para dar um upgrade na relação. Muitos homens têm dificuldade em encarar sentimentos obscuros, e esse exercício é fundamental – além de fazer bem à saúde mental.

Entenda os arquétipos do ciclo menstrual feminino

A mulher passa por quatro fases no ciclo de fertilização. Quando menstrua, está na fase da bruxa ou da ansiã. Fica mais introspectiva e é seletiva. É quando está mais sábia e propensa a tomar decisões.

Quando acaba a menstruação, vem a fase pré-ovulatória. Nela, há o ápice da jovialidade. É um momento de foco, no qual consegue se planejar e executar tarefas de maneira melhor. Depois, vem a fase da mãe, caracterizada por maior vontade de socialização. “É quando não ficamos presas a padrões, e voltamos à energia a muitas pessoas”, diz Abigail.

Na fase da feiticeira, a seguinte, acontece a temida TPM, nada mais que o momento em que há uma reavaliação de resultados. “É assim que todas as mulheres funcionam e se comportam”, assegura. No geral, o melhor período para propor aquela transa é a fase pré-ovulatória, logo após a menstruação.

Massagem diferentona

Há quem pense que a massagem tântrica é uma espécie de masturbação turbinada. Ledo engano. “No tantra, trabalhamos o orgasmo de forma sensorial. Podemos ter dois tipos, o psicogênico e o sensorial. O primeiro precisa de uma fonte externa, uma imagem, uma cena, para sentir prazer, pois se usa a mente para sentir. Preferimos o segundo, que se dá pelo toque, pelo sentir”, afirma.

A massagem começa com toques sutis e leves por todo o corpo. Isso mesmo, nada de ir “correndo” para a vagina. “Já vi pessoas gozarem ao serem tocadas na canela”, relembra a terapeuta.

“Qualquer parte do corpo é suscetível ao prazer”, afirma. “O que fazemos é dissociar o genital, espalhando essa energia sexual por todo o corpo”, revela.

Movimento do shimmie

Existe um exercício simples que o homem pode fazer para potencializar o desempenho e a energia sexual. Trata-se do movimento shimmie, compartilhado entre praticantes do tantra e a dança do ventre. Deixe as pontas dos pés apontadas para frente. Com os joelhos relaxados, vá alternando o direito e o esquerdo em movimento sutil. Quando o esquerdo estiver na frente, o direito vai para trás. “Isso atinga a pelve e o ponto extremo da coluna, onde está localizado um importante chakra, que dá uma energia potente”, conta a profissional.

Últimas notícias