">
*
 
 

A publicação Nutrição Clínica Funcional (2014) avisa: cada planta é uma usina de princípios ativos, que podem ou não trazer benefícios ao ser humano.

Quem nos conta sobre a aplicação de diversos chás e o cuidado que devemos ter com o preparo e consumo é a nutricionista Mirella Monteiro Rodrigues.

Diferentes processos são realizados para extrair o princípio ativo de uma planta, um deles é fazendo chás, por meio da infusão ou da decocção.

A infusão é um dos processos mais antigos e tradicionais, muito utilizado na fitoterapia popular. É o meio de extração que consiste em adicionar água pré fervente sobre a parte da droga vegetal devidamente triturada.

A infusão é aplicável principalmente para folhas, flores ou partes floridas, essas devem ser mantidas num recipiente fechado, em repouso, geralmente de 5 a 10 minutos e depois coadas. A proporção a ser utilizada para cada 150 ml de água varia deve ser de 4g a 5g da planta seca ou 8g a 10g da planta fresca.

As infusões, preferencialmente, devem ser preparadas em doses individuais e utilizadas logo em seguida. Para casos de uso frequente, quantidades maiores podem ser preparadas para consumo no mesmo dia, porém, após o preparo, não se deve exceder 12 horas.

Quanto aos chás comerciais, na maioria das vezes, estão disponíveis em saquinhos contendo 1g a 2g de ervas já convenientemente trituradas. Devido ao seu caráter mais pulverizado, os chás de saquinhos, além da maior praticidade, possuem uma extração mais eficiente.

Entretanto, formas mais pulverizadas deixam os ativos mais expostos a fatores externos, principalmente umidade, podendo assim comprometer a qualidade do produto bem como seu efeito fitoterápico.

Na decocção o processo de extração é semelhante à infusão, tendo como principal diferença  o fato de manter a mistura sob fervura por pelo menos 10 minutos. Geralmente são usadas para a decocção semente, cascas e raízes.

Abaixo alguns chás e suas aplicações:

Chá de Camomila (Matricaria chamomilla)

Fazer infusão.

Melhora gases, diarreia nervosa, colite, gastrite e hemorroidas.

Boldo (Peamus boldos)

Fazer infusão

A boldina é um alcaloide derivado do Peumus boldus, sendo este o principal componente do chá de boldo. Esse alcaloide possui uma atividade antioxidante significante, sendo capaz de melhorar a atividade do fígado e assim contribuir para a destoxificação hepática.

Hortelã (Mentha piperita)

Fazer infusão

Melhora a digestão pelo relaxamento da musculatura lisa do trato gastro intestinal e aumento da secreção biliar.

Erva-cidreira (Lippia citriodora)

Fazer infusão

Melhora a cólica e gases. É anti-inflamatória.

Gengibre (Zingiber officinale)

Fazer decocção de 1 colher de chá da raiz triturada em 1 xí­cara de água.

Aumenta o peristaltismo, é termogênico, melhora náuseas e enjoo.

Chá Verde (Camellia sinensis)

Fazer infusão.

Tem ação antioxidante, termogênica, anticâncer e de melhora da capacidade cerebral evitando alguns tipos de demência.

Chá de Unha-de-gato (Uncaria tomentosa)

Fazer decocção

É anti-inflamatória e moduladora do sistema imunológico. Possui comprovadamente atividades antioxidantes, anti-inflamatórias e tem sido empregada em doenças como o câncer, SIDA, resfriados e gripe, úlceras gástricas, doenças inflamatórias intestinais e artrite reumatoide.

Seu uso não é recomendado na gravidez ou lactação (porque ainda não foi plenamente investigada nessa população) e em pessoas que utilizam algumas medicações.

Canela (Cinnamomum verum)

Fazer decocção

Tem efeito anti-inflamatório, antimicrobiano, antioxidante, antitumoral, antilipemiante e imunomodulador. Tem também ação hipoglicêmica.

Mulungu (Erythrina velutina)

Fazer decocção

Diminui a ansiedade, combate a insônia e melhora a tensão muscular.

Dente-de-leão (Taraxacum officinale)

Fazer decocção.

Tem sido usado para tratar má digestão, azia, distúrbios no baço e fí­gado e em inflamações. A Anvisa alerta que ele deve ser evitado na presença de obstrução dos ductos biliares e do trato intestinal.

Melissa (Melissa Officinalis L.)

Fazer infusão.

É calmante e ajuda a diminuir a ansiedade.

Espinheira santa (Maytenus ilicifolia)

Fazer infusão

Tem atividade cicatrizante sobre a mucosa do estômago. Tem também efeito anticâncer. Pode ser usada para melhorar a digestão e reduzir a distensão abdominal, gases e dores, esofagite de refluxo e hérnia de hiato.

Além disso, pode estimular a menstruação e equilibra o estrogênio durante a menopausa. Contraindicada para mulheres que querem engravidar, gestante, lactantes e pacientes com câncer estrogênio dependentes.

Atenção! No preparo dos chás, seja por infusão ou decocçãoo, devem ser evitados o uso de recipientes de ferro, alumínio e outros metais que possam prejudicar a extração e a atividade dos princípios ativos. Aconselha-se então o uso de recipientes em aço inox ou de vidro.



Saúdechás
 


COMENTE

Ler mais do blog