DF: orçamento garante gratificação da Saúde esperada há 11 anos

Após aprovação da Lei Orçamentária de 2020, governador determinou que equipe econômica calcule impacto até a primeira quinzena de janeiro

ReproduçãoReprodução

atualizado 14/12/2019 8:24

Reivindicação antiga dos servidores da Secretaria de Saúde do DF, a recomposição da Gratificação de Atividade Técnica-Administrativa (Gata) será calculada até o dia 15 de janeiro, segundo informou ao Metrópoles o secretário de Economia, André Clemente.

O benefício é garantido por lei aos servidores de nível médio da Secretaria de Saúde, porém faltava previsão de gastos do Governo do Distrito Federal (GDF). O benefício foi incluído na Lei Orçamentária Anual de 2020, aprovada pela Câmara Legislativa (CLDF) durante a última sessão do ano realizada pela Casa antes do recesso parlamentar.

“A determinação do governador Ibaneis é tratar com prioridade e, por isso, até a primeira quinzena de janeiro já teremos os valores atualizados da recomposição da Gata”, disse Clemente à coluna. Ainda não há confirmação sobre a data oficial para o pagamento.

Ao Metrópoles, o titular do Palácio do Buriti afirmou a intenção de quitar a dívida com os servidores até dezembro. Contudo, segundo Clemente, a depender da disponibilidade, há chances de o pagamento sair antes.

Reserva anual

Segundo o Palácio do Buriti, ‭29.311 servidores terão direito à incorporação. Desse total, 18.360 são ativos e os outros 10.951, inativos. Para ficar em dia com a categoria, o GDF precisará de uma reserva anual no orçamento de, pelo menos, R$ 545 milhões.

De acordo com o o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde (SindSaúde), a gratificação é pauta da categoria há pelo menos 11 anos. “Durante essa árdua luta, fomos do céu ao inferno várias vezes e tivemos que, inclusive, derrotar um governo para continuarmos vivos e na luta”, afirmou Marli Rodrigues, presidente da entidade. “Agora, construímos um caminho para o pagamento da última parcela da Gata, que é o cumprimento de uma lei”, completou a sindicalista.

Histórico

A Gata foi instituída por meio de uma lei distrital de 2004 e é destinada a técnicos e auxiliares da Secretaria de Saúde. Em 2012, o benefício foi extinto e, desde então, diversos servidores lutam na Justiça para conseguir os valores retroativos.

Durante a gestão de Agnelo Queiroz (PT) no comando do GDF, o SindSaúde conseguiu aprovar na Câmara Legislativa uma nova lei que reuniu todas as gratificações dos servidores em uma só e a incorporou ao salário. No entanto, a norma não foi cumprida no governo de Rodrigo Rollemberg (PSB).

SOBRE O AUTOR
Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Últimas notícias