Homenagem a Frida Kahlo: Vans lança tênis inspirados na mexicana

As obras Autorretrato com Colar de Espinhos e Beija-flor, As Duas Fridas e Natureza Morta: Viva a Vida foram usadas como referência

Divulgação/Vault by VansDivulgação/Vault by Vans

atualizado 01/07/2019 11:44

Depois de lançar peças inspiradas na obra de Van Gogh e até no mundo mágico de Harry Potter, a Vans anunciou mais uma coleção que vai mexer com a cabeça dos fãs de arte. Para homenagear Frida Kahlo, a marca desenvolveu itens com referências nas pinturas e na vivência da feminista. O resultado são tênis que parecem ter saído do acervo de um museu.

Vem comigo!

 

Os clássicos modelos OG Authentic LX, OG Slip-On LX, OG SK8-Hi LX se transformaram em arte. Os calçados da Vault by Vans aparecem com uma pegada quente e divertida.

Além do rosto de Frida, tonalidades que remetem à cultura mexicana podem ser notadas nos tênis. As opções são interessantes: há versões em cano alto ou médio, com ou sem cadarços, e também levemente mais discretos ou chamativos.

Os quadros estampados nos sapatos são As Duas Fridas (1939), Autorretrato com Colar de Espinhos e Beija-flor (1940) e Natureza Morta: Viva a Vida (1954).  Duas das obras ficam em acervos de museus no México e uma delas está nos Estados Unidos.

A coleção foi lançada neste sábado (29/06/19), inclusive no Brasil. As peças já estão disponíveis nas lojas da Vans.

 

Confira:

Divulgação/Vault by Vans
As cores são vivas, como na pintura da mexicana

 

Divulgação/Vault by Vans
Detalhe da obra Natureza Morta: Viva a Vida

 

Divulgação/Vault by Vans
Lateral do calçado que traz referência em As Duas Fridas

 

Divulgação/Vault by Vans
Uma das pinturas mais conhecidas da carreira de Frida, Autorretrato com Colar de Espinhos e Beija-flor não poderia faltar

 

Divulgação/Vault by Vans
As peças são marcantes e inspiradoras

 

 

Frida Kahlo

A artista nasceu na vila de Coyoacán, no México, em julho de 1907. Desde pequena, Frida Kahlo enfrentou problemas, como uma poliomielite ainda criança. No início da fase adulta, sofreu um grave acidente que resultou em um longo período no hospital e deixou sequelas para o resto da vida.

Apesar de não conseguir andar, Frida começou a pintar com instrumentos adaptados para conseguir produzir deitada. Quando se recuperou, passou a estudar e aprimorar as técnicas na pintura.

A trajetória de Frida não foi fácil. Em 1953, teve uma perna amputada. Além disso, viveu relacionamentos conturbados e lidou com diversas questões que prejudicaram a própria saúde mental.

Ao longo da vida, ela se envolveu em causas políticas e sociais. Defensora dos direitos das mulheres, Frida se tornou um símbolo do feminismo. A mexicana morreu em 1954.

 Bettmann/via Getty Images
Frida Kahlo se tornou símbolo do movimento feminista

 

 

 

Colaborou Rebeca Ligabue

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É a colunista de moda do Metrópoles e acompanha a movimentação na indústria fashion nacional e internacional. Além da curadoria de Ilca, o espaço tem a colaboração dos repórteres Rebeca Ligabue, Hebert Madeira, Danillo Costa e Sabrina Pessoa. Após passar por rigoroso processo de pesquisa, apuração e troca de ideias, as matérias são publicadas diariamente às 5h30, às 12h e às 15h. Às terças, quintas e aos domingos, o primeiro texto postado na coluna é uma reportagem especial.

Últimas notícias