Ariana Grande processa Forever 21 por campanha com sósia

Em ação, cantora norte-americana alega que a marca se apropriou de sua imagem para lucrar, após ter parceria recusada

Reprodução/YouTubeReprodução/YouTube

atualizado 06/09/2019 15:12

A Forever 21 ganhou os holofotes da imprensa internacional com a repercussão de seu possível pedido de falência na última semana. Agora, a rede de fast fashion voltou a ser assunto por causa de um processo de US$ 10 milhões movido pela cantora Ariana Grande. Ela acusa a varejista de usar “seu nome, sua aparência e outras propriedades intelectuais” para se promover gratuitamente. Inclusive utilizando fotos com uma modelo bem semelhante à artista. Isso ocorreu depois de a popstar norte-americana ter recusado uma parceria com a empresa.

Vem comigo entender o caso!

A ação judicial, movida na segunda-feira (02/09/2019), argumenta que a marca e sua linha de beleza Riley Rose publicaram ao menos 30 fotos e vídeos não autorizados no site oficial e em outras plataformas. Todos teriam referências à cantora – alguns com imagens do clipe Thank U, Next e elementos de 7 Rings.

“A intenção era clara: sugerir ao público que a Srta. Grande endossava a Forever 21 e seus produtos e era afiliada à marca”, alega o processo. Quem representa o documento de 21 páginas é o advogado Daniel Petrocelli, conhecido por ter atuado no caso O.J. Simpson, nos anos 1990.

Uma das imagens mostra uma modelo bem parecida com Ariana. Ela usa rabo de cavalo e acessórios similares aos do clipe 7 Rings, lançado pela artista em janeiro. O post tem até um trecho da música na legenda: “Gee thanks, just bought it” (Poxa, obrigada, acabei de comprar, em tradução livre). Já em outra foto, uma modelo usa figurino parecido com um look da cantora no mesmo vídeo: calça roxa com estampa militar, cinto e sandálias de salto cor-de-rosa com meias brancas.

A marca de beleza Riley Rose, mencionada no processo, foi criada pelas filhas do fundador da rede varejista.

Reprodução
Reprodução de uma publicação da Forever 21 no Instagram, mencionada no processo, com referência ao clipe Thank U, Next, lançado em novembro do ano passado

 

Reprodução
A cantora norte-americana está processando a Forever 21 e a Riley Rose por usarem seu nome, imagem, aparência e música sem autorização. Nesta foto, uma modelo parecida com Ariana posa usando acessórios semelhantes aos do clipe 7 Rings, lançado em janeiro. A legenda ainda inclui um trecho da canção

 

Reprodução
Trechos do vídeo 7 Rings

 

Reprodução
Neste post do Instagram Stories, a marca imita outro look do mesmo clipe

 

Reprodução
O visual em questão: calça roxa camuflada, meias brancas, calçados cor-de-rosa e cinto

 

A parceria foi proposta para a equipe de Ariana no fim de 2018. Porém, foi recusada no começo de 2019, já que a marca não estava disposta a pagar “o valor de mercado justo para uma celebridade com a estatura da srta. Grande”.

Um post único na conta de Ariana no Instagram, por exemplo, vale quantias de seis dígitos, podendo custar de sete a oito em campanhas de marketing, licenciamento e outros acordos.

Em vez de pagar o valor exigido pelos direitos, a Forever 21 publicou imagens sem autorização, principalmente entre janeiro e fevereiro, conforme acusa o processo. Para a equipe de Ariana, a label teria se aproveitado do sucesso do disco Thank U, Next, lançado em fevereiro deste ano. Agora, o valor exigido no processo é de pelo menos US$ 10 milhões.

Reprodução
Registro mencionado pelo processo de um post da Forever 21 no dia 25 de janeiro, com uma foto de Ariana Grande em 7 Rings

 

Reprodução
Colagem com imagens do clipe, publicada de forma não autorizada. Segundo a equipe de Ariana, esse tipo de publicação gera a impressão de que a cantora teria dado aval para os posts

 

Reprodução
Outro post mencionado na ação judicial

 

Reprodução
Logotipo de 7 Rings, single do álbum Thank U Next

 

Reprodução
Nesta colagem, além de uma modelo bem semelhante à popstar usando elementos do clipe, o logotipo da canção de Ariana aparece

 

Reprodução
A própria Ariana procurou os advogados e agentes quando soube das imagens da Forever 21

 

A ação diz que a própria Ariana informou sua equipe de advogados e agentes quando soube das imagens, em fevereiro deste ano. Depois de ser procurada, a marca teria concordado em excluir as fotos não autorizadas de suas redes sociais, o que só aconteceu em abril. Entre as violações alegadas no processo, estão direitos autorais, marca registrada e direito à publicidade. Sem falar, é claro, na sugestão falsa de um “aval” da cantora para as publicações.

À imprensa internacional, a rede de fast fashion disse que contesta as alegações e não comenta “litígios pendentes”. “Enquanto disputamos as acusações, somos grandes apoiadores de Ariana Grande e trabalhamos com sua empresa de licenciamento nos últimos dois anos. Temos esperança de encontrar uma resolução mutuamente agradável e de poder continuar trabalhando juntos no futuro”, diz o comunicado.

Craig McDean para Givenchy
Ariana em campanha para a Givenchy. Nesse tipo de parceria, ela pode cobrar valores de sete a oito dígitos, como menciona o processo

 

Farrah Moan

A polêmica não ficou só aí: ao saber do processo, a drag queen Farrah Moan, ex-participante de RuPaul’s Drag Race, ironizou a situação. Segundo ela, um body usado pela cantora em 7 Rings imita um de seus looks. O visual em questão foi usado na quarta temporada do spin-off All Stars.

“Ariana deveria me dar uma parte desses US$ 10 milhões, já que sua equipe literalmente enviou uma foto minha para o designer e pagou para copiar meu visual de AS4. Finalmente conheci o designer e fui informada do ‘chá’. Acho que roubar artistas queer para obter lucro é bom”, publicou no Twitter. Em inglês, “tea” (chá, em português) é uma gíria para se referir a fofocas.

Em outros tweets, continuou falando sobre o assunto. “Eu não me importo sobre o que é realmente o processo. Sua equipe jurídica está acusando de roubo de semelhança, imagem. Mas o ponto é que a equipe dela também roubou”, aponta. Ariana ainda não se manifestou sobre as declarações.

Colaborou Hebert Madeira

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias